10 Principais causas de ganho de peso e obesidade

A obesidade é um dos maiores problemas de saúde no mundo. Ela se alia com várias outras doenças, que se forem combinadas, pode matar milhões de pessoas por ano. Entre as doenças estão a diabetes, doenças cardiovasculares, câncer, acidente vascular cerebral, demência e vários outros.

Fat man holding a measuring tape. Weight Loss.
Obesidade

Obesidade

Nas discussões sobre ganho de peso e obesidade, muitas pessoas pensam que perder peso, está puramente ligado à força de vontade. Se nós ganhamos peso (ou não) é resultado de um comportamento e neste caso, o comportamento alimentar. Se nós comemos mais do que o organismo utiliza, ganhamos peso. Se decide comer menos e se exercitar, então perdemos peso. No entanto … o comportamento humano é complexo e está impulsionado por vários fatores biológicos como a genética, hormônios e circuitos neurais. O comportamento alimentar, assim como o comportamento sexual e o comportamento de sono, também são impulsos de processos biológicos. Dizer que o comportamento é apenas uma ação da força de vontade (“A força de vontade move montanhas”) é demasiado simplista. A força de vontade na maioria das pessoas se desintegra sob a força de outros sinais, tanto internos como externos. Abaixo estão 10 fatores que podem ser a causa do ganho de peso, obesidade e doença metabólica, que realmente não têm nada a ver com força de vontade.

1. Genética

A obesidade tem um componente genético forte. Logo, descendentes de pais obesos são muito mais propensos a se tornarem obesos, se comparados com os descendentes de pais magros. Isso não quer dizer que a obesidade seja pré determinada. Os sinais enviados pelos genes podem ter um efeito importante, sobre quais genes são expressos e quais não são. Sociedades não-industrializadas, rapidamente ficam obesas, quando começam com uma dieta típica ocidental. A genética não se altera, o ambiente e os sinais enviados por eles para os seus genes, alteram. Parece claro que existem componentes genéticos que afetam a nossa suscetibilidade a ganhar peso. Estudos sobre gêmeos idênticos demonstram isso muito bem.

2. Engenharia do “Hiper Sabor”

Hoje , os alimentos são refinados com ingredientes misturados e um monte de produtos químicos. Estes produtos são projetados para custar menos, terem um tempo maior de prateleira e um sabor incrivelmente bom para comermos mais. Ao produzir alimentos  com “hiper sabor”, os fabricantes apostam em fazer o consumidor se viciar em consumir aquele produto. Os alimentos processados ​​não se parecem com comida, são produtos altamente projetados, com orçamento e lucro antes da ‘comida’ em si.

3.Vício em Comida

Estes alimentos de lixo altamente projetados para causar um estímulo poderoso de recompensa em nossos cérebros. Sabe o que isso causa? o mesmo que as drogas de abuso como álcool, cocaína, nicotina e cannabis. O fato é que a junk food pode causar vício nos indivíduos suscetíveis. As pessoas perdem o controle sobre seu comportamento alimentar, da mesma maneira como os alcoólicos perdem o controle sobre seu comportamento em beber. O vício é uma questão complexa, com uma base biológica que pode ser muito difícil de superar. Quando você se torna viciado em algo, você perde sua liberdade de escolha.

4. Marketing Agressivo (Especialmente o Infantil)

As empresas de alimentos processados são agressivas e antiéticas, fazem alegações enganosas e gastam grande quantidade de dinheiro com os principais cientistas, influenciando as suas pesquisas e orientações. As empresas de junk food são ainda piores do que as companhias de tabaco já foram, porque o alvo do comércio afeta especificamente as crianças, que estão ficando cada vez mais obesas, diabéticas e viciadas nesses produtos, antes que tenhas idade suficiente para tomares sua próprias decisões conscientes.

5. Insulina

A insulina é um hormônio muito importante, que regula o armazenamento de energia, entre outras coisas, uma das funções da insulina é contar as células de gordura e a dieta ocidental provoca alguma resistência à insulina. Em muitos indivíduos, os níveis de insulina aumentam, fazendo com que a energia fique armazenada nas células de gordura, em vez de estar disponível. A melhor maneira de diminuir a insulina é cortar os carboidratos, o que geralmente leva a uma redução automática da ingestão de calorias e perda de peso sem esforço, sem contagem de calorias ou porção de controle.

6. Causa Secundária de Alguns Medicamentos

Existem muitos medicamentos farmacêuticos que aumentam o ganho de peso, como uma causa secundária. Para dar exemplos, os medicamentos para diabetes, antidepressivos, antipsicóticos etc. Essas drogas não causam “deficiência na força de vontade”  – elas alteram as funções do corpo e cérebro, seletivamente acumulando as gorduras, ao invés de serem usadas como energia.

7. Leptina

Outro hormônio crucial para a obesidade é a leptina. Este hormônio é produzido pelas células de gordura e enviam sinais para o hipotálamo (a parte do nosso cérebro que controla a ingestão de alimentos), que aponta quando estamos cheios e precisamos parar de comer. As pessoas obesas têm muita gordura e muita leptina. O problema é que a leptina não funciona como devia, pois por algum motivo, o cérebro resiste a ela. Isso é chamado de resistência à leptina e pode ser o fator principal na patogênese da obesidade.

8. Disponibilidade de Comida

Um fator que está engordando a população mundial é a enorme disponibilidade de alimentos, em especial, a de junk food, que está em toda parte. Até postos de gasolina vendem alimentos e normalmente, são produtos como barras de chocolate em áreas que maximizam as chances de compra por impulso. Outro problema relacionado com a disponibilidade é que muitas vezes, essas comidinhas rápidas, são mais em conta do que a comida de verdade, no Estados Unidos então… Algumas pessoas nos bairros mais pobres, nem sequer têm a opção de comprar alimentos reais. As lojas de conveniência nessas áreas só vendem refrigerantes, doces e alimentos processados, embalados. Como é que pode ser uma questão de escolha se você literalmente não tenho escolha?

9. Açúcar

O açúcar é a pior parte da dieta moderna. A razão é que, quando consumido em excesso, o açúcar altera os hormônios e bioquímica do corpo, contribuindo para o aumento de peso. A adição de açúcar é metade glicose e a outra metade frutose. Obtemos glicose a partir de todos os tipos de alimentos, incluindo amidos, mas a maior é a frutose dos açúcares adicionados. O excesso de consumo de frutose provoca resistência à insulina, níveis elevados de insulina e ainda causar resistência à leptina, pelo menos em ratos. Além disso, não provoca saciedade, da mesma forma como a glicose. Todos estes fatores contribuem para o armazenamento de energia, logo, a obesidade .

10. Desinformação

O mundo está sendo mal informado sobre saúde e nutrição. A principal razão para isso é que as empresas de alimentos patrocinam cientistas e as principais organizações de saúde. Por exemplo, a Academia de Nutrição e Dietética (a maior organização de profissionais de nutrição no mundo) é fortemente patrocinada pela Coca Cola, Kellogg e Pepsico. A American Diabetes Association é patrocinada com milhões de dólares por ano pelas empresas farmacêuticas, que lucram diretamente como o conselho errônea sobre as dietas de baixa gordura. Até as diretrizes oficiais promovidos pelo governo parecem serem organizadas para proteger os interesses de promover a saúde dos indivíduos pelas corporações. Como as pessoas fazem as escolhas certas, se estão sendo constantemente influenciadas por governo, organizações de saúde?

Conclusão

A menos que haja alguma condição médica, está dentro do poder de qualquer indivíduo o controle do seu próprio peso. Isso pode ser feito! Vai dar muito trabalho e, quem sabe, uma mudança drástica no estilo de vida, onde muita gente não tem sucesso à longo prazo. O ponto deste artigo vai além da “responsabilidade individual”, mas à epidemia de obesidade. Como os alimentos e a sociedade foram projetadas são fatores importantes que devem ser corrigidos. A idéia de que tudo é causado por uma falta de força de vontade é exatamente o que as empresas de alimentos querem nos fazer acreditar, para que eles possam continuar com o marketing antiético.