9 Mitos Ridículos sobre a Dieta de Baixo Carboidrato

Há muita desinformação sobre a dieta com baixo teor de carboidrato por aí. Alguns afirmam que a dieta de baixa carboidrato (Low Carb), seja a dieta ideal para o humano. Outras pessoas acreditam que é uma dieta da “moda” que é insustentável e potencialmente prejudicial. Este artigo lista 9 mitos comuns sobre as dietas de baixo carboidrato.

dieta-de-baixo-carboidrato2

1. Baixo Carboidrato é uma Dieta da Moda

O termo “dieta da moda” tem perdido o seu significado. Antes, o termo era usado para as perdas de peso acidentais, num curto prazo de popularidade. No entanto, hoje esse termo tem, basicamente, se tornado um abuso para as pessoas que não acreditam na Low Carb. Ainda hoje, muitas pessoas ainda chamam de dieta baixo carboidrato uma “moda” dieta e isso não faz absolutamente nenhum sentido, porque a o baixo teor de carboidrato demonstra-se ser eficaz em mais de 20 estudos científicos. O primeiro livro de Atkins foi publicado em 1972, cinco anos antes do primeiro conjunto de orientações dietéticas com baixo teor de gordura na América. Se olharmos ainda mais para trás, o primeiro livro low-carb foi publicado mesmo, em 1863 e era muito popular na época. A “moda” é apenas uma tentativa desonesta de argumento.

Resumo: A dieta de baixo carboidrato tem sido apoiado por décadas com mais de 20 estudos de alta qualidade em seres humanos. Chamá-la de “dieta da moda” é um mito ridículo.

2. É Difícil de se Manter numa Dieta de Baixo Carboidrato

Alega-se frequentemente que as dietas de baixo carboidrato são insustentáveis ​​porque restringem os grupos alimentares comuns e que estas reivindicações acabam levando à sentimentos de privação, induzindo as pessoas que estão fazendo a dieta, a desistirem e voltarem a ganhar o peso de volta. Isso faz sentido, mas a verdade é que todas as dietas restringem alguma coisa. Alguns restringem grupos alimentares ou macronutrientes, outros restringem calorias. A grande coisa sobre a low-carb é que esta dieta de baixo carboidrato leva a uma redução do apetite, de modo que as pessoas podem comer até a plenitude e ainda perder peso. Compare isso com uma dieta de restrição calórica, onde você não é autorizado a comer tranquilamente  e acabam por passar fome a maior parte do tempo. Tudo o que está sendo dito, não é argumentado com dados científicos, especialmente que a dieta de baixo teor de carboidrato é mais difícil de ser mantida do que as outras. Sob a análise de 19 estudos, que analisaram quantas pessoas chegaram ao fim das dietas, comparando a low-carb e as dietas de baixa gordura, chegou a um resultado misto, onde o maior número de pessoas do grupo de baixo teor de carboidratos chegou até o fim de compromissos que validam a dieta com eficácia. A média para as dietas de baixo carboidrato foi 79,51%, contra 77,72% do grupo de baixo teor de gordura. Não é uma diferença enorme, mas mostra claramente que as dietas baixas em carboidratos são mais bem toleradas do que a de baixa gordura.

Resumo: Os dados não suportam a idéia de que as dietas de baixo carboidrato são difíceis de serem cumpridas. Em comparação com a dieta de baixa gordura, a dieta de baixo carboidrato foi mais bem tolerada.

3. Maioria da Perda de Peso Vem da Perda da Água do Corpo

O corpo armazena quantidades significativas de carboidratos nos músculos e no fígado. Esta é uma forma de armazenamento de glicose, conhecido como glicogênio, utilizado para suprir o corpo com glicose entre as refeições. O glicogênio armazenado no fígado e músculos tende a se ligar à água. Quando cortam-se os carboidratos, as reservas de glicogênio diminuem e nós perdemos uma quantidade significativa de peso da água. Além disso, as dietas de baixo carboidrato levam a uma redução drástica nos níveis de insulina. Quando a insulina cai, os rins colocam o excesso de sódio e de água para fora do corpo. Por estas razões, as dietas de baixo carboidrato levam a uma redução substancial e quase imediata na perda de água. Isto é frequentemente usado como argumento contra dietas de baixo carboidrato, pois alega-se que a única razão para a vantagem da perda de peso é a redução do peso da água. No entanto, isso é falso. As dietas de baixo carboidrato reduzem o peso da água, mas os estudos mostram que também causam redução da gordura corporal – especialmente, a partir do fígado e da área abdominal onde a gordura da barriga prejudicial está localizada. Um estudo de 6 semana, sobre as dietas baixas em carboidrato, mostrou que os participantes perderam 3,4 kg de gordura e ganharam 1,1 kg de músculo. Além disso, a redução do peso da água é uma coisa boa. Não faz sentido usar um argumento desse contra as dietas de baixo carboidrato. Quem gostaria de carregar 4kg de excesso de água?

Resumo: As pessoas que admitem a low-carb perdem o excesso de água do corpo. No entanto, elas também perdem muita gordura corporal, especialmente na região do fígado e abdômen.

4. Dietas “Low Carb” são Ruins para o Coração

As dietas Low Carb tendem a serem ricas em colesterol e gordura, incluindo gorduras saturadas. Por esta razão, muitas pessoas questionam, que se aumenta o colesterol no sangue o risco de doença cardíaca também aumenta. No entanto, os novos estudos mostram que nem o colesterol da dieta de gorduras saturadas tem qualquer efeito significativo no risco de doença cardíaca. Ao contrário do que se costuma afirmar, as dietas Low Carb melhoram muitos fatores de risco importantes para doenças cardíacas:

  • Triglicerídeos diminuem.
  • HDL o colesterol ‘bom’ aumenta .
  • Pressão sanguínea tende a diminuir.
  • Resistência à insulina diminui, indicando reduções de açúcar no sangue e de níveis de insulina.
  • Inflamação pode ser reduzida na dieta de baixo carboidrato.

Os níveis de colesterol LDL não aumentam. As partículas também tendem a mudar de pequena, densa (mau) à grande, um padrão que está ligado a um risco reduzido de doença do coração. Dito isto, os estudos principalmente observam as médias. Há alguns indivíduos, que despertam grandes aumentos nos níveis de LDL, em uma dieta Low Carb. Estes indivíduos devem tomar algumas medidas para controlar esse níveis..

Resumo: Não há evidências de que o colesterol da dieta de baixo carboidrato e gordura saturada causam danos, além de estudos sobre as dietas de baixo carboidrato mostrarem, que os vários fatores de risco para doença cardíaca diminuem enquanto aplicado a Low Carb.

5. Dieta com Baixo Teor de Carboidrato Somente Funciona Porque as Pessoas Comem Menos Calorias  

Muitas pessoas afirmam que a única razão para as pessoas perderem peso com baixo carboidrato é por causa da redução do número de calorias. Isso é verdade, mas, a história toda não é só isso. A vantagem principal da perda de peso da dietas de baixo carboidrato é que a perda de peso ocorre automaticamente. As pessoas se sentem tão saciadas, que acabam comendo menos alimentos, sem precisarem contar calorias ou terem controle por meio de porções. Este efeito de redução do apetite é tão poderoso, que estudos comparando a low-carb e a dieta de baixa gordura, os grupos de baixo teor de gordura precisam restringir as calorias ativamente, a fim de tornar os resultados comparáveis. Mesmo quando os grupos de baixa gordura são de restrição calórica, os grupos de baixo carboidrato ainda acabam perdendo mais peso … às vezes 2-3 vezes mais! Além disso, as pessoas às vezes não percebem que as dietas de baixo carboidrato não são apenas sobre a perda de peso, elas também são muito eficazes contra certas condições de saúde, como a síndrome metabólica, diabetes tipo 2 e epilepsia. Nestes casos, os benefícios para a saúde vão muito além de apenas uma redução na ingestão de calorias. Dito isto, as dietas de baixo carboidrato podem ter uma pequena vantagem metabólica, pois tendem a ser ricas em proteínas, o que estimula o metabolismo.

Resumo: É verdade que as dietas de baixo carboidrato levam a uma redução na ingestão de calorias. No entanto, o fato de isso acontecer inconscientemente é um benefício enorme. As dietas de baixo carboidrato também têm benefícios para a saúde metabólica e vão muito além das calorias.

6. Baixo Carboidrato diminui a Ingestão de Vegetais Saudáveis

Uma dieta baixa em carboidratos não é significa ingerir ‘‘zero” carboidrato. É um mito que a dieta de baixo carboidrato seja cortar carboidratos que você precisa comer, muito menos os alimentos de origem vegetal. Você pode realmente comer uma quantidade muito grande de vegetais, frutas, nozes e sementes, sem exceder 50 gramas de carboidrato por dia. Além disso, comer 100-150 gramas de carboidratos por dia ainda é considerado um consumo baixo de carboidratos. Isso é o suficiente espaço para várias peças de fruta por dia e talvez até mesmo pequenas quantidades de amidos saudáveis, como a batata e a aveia. É capaz que o consumo de vegetais aumente, ao contrário do que se especula como um mito ridículo. Ao consumir adequadamente os carboidratos vegetais, a satisfação e a necessidade do corpo de vitamina C, potássio, fibras e outros nutrientes essenciais. Praticamente todos os livros sobre Low Carb recomendam que as pessoas comam grandes quantidades de alimentos vegetais saudáveis.
Resumo: É possível encaixar grandes quantidades de alimentos de origem vegetal na dieta Low Carb, mesmo com o consumo baixo de carboidratos. Produtos hortícolas, frutas, nozes e sementes são exemplos de alimentos vegetais saudáveis, baixos em carboidratos.

7. “Cetose” é um Estado Metabólico Perigoso

Há uma grande confusão sobre a cetose. Quando comemos muito pouco carboidratos (menos de 50 gramas por dia), os níveis de insulina caem e uma grande quantidade de gordura é liberada a partir das células de gordura. Quando o fígado fica alagado com ácidos gordos, ele começa a transformá-los em substâncias chamadas corpos cetônicos, ou cetonas. Estas moléculas são capazes de atravessar a barreira do sangue, fornecendo energia para o cérebro durante a inanição ou quando não comem carboidratos. No entanto, muitas pessoas parecem confundir “cetose” e “cetoacidose.” Este último é um estado metabólico perigos,  acontece principalmente na diabetes tipo 1. Ela envolve a corrente sanguínea e inunda com grandes quantidades de cetonas, o suficiente para fazer o sangue ácido. Cetoacidose é um negócio sério e pode ser fatal. No entanto, isso não tem absolutamente nenhuma relevância para a cetose causada por uma dieta baixa em carboidratos, que é um estado metabólico saudável. Como exemplo, os efeitos terapêuticos da epilepsia a ser estudados para o tratamento do câncer e contra as doenças do cérebro, como a doença de Alzheimer. A cetoacidose é terrível, mas a cetose é uma coisa boa. Os dois não são a mesma coisa.

Resumo: Uma dieta baixa em carboidrato leva a um estado chamado cetose metabólica, este estado não é a mesma que a cetoacidose,  que é perigoso, mas que só acontece em diabetes não controlada.

8. O Cérebro Precisa de  Glicose (Carboidratos) para Funcionar

Muitas pessoas acreditam erroneamente que o cérebro não pode funcionar sem carboidratos na dieta. Afirma-se ainda, que os carboidratos são o combustível preferido para o cérebro e que a necessidade gira entorno de 130 gramas por dia. Isso é parcialmente verdadeiro. Algumas células do cérebro não podem usar qualquer combustível, exceto a glicose (carboidratos). Contudo, outras partes do cérebro são, na verdade, perfeitamente capazes de utilizar a cetona como combustível. Se os carboidratos forem reduzidos o suficiente para induzir a cetose, logo, uma grande parte do cérebro pára de usar a glicose e começa a usar a cetona em seu lugar. Dito isto, mesmo com muita cetona no sangue, algumas partes do cérebro ainda precisam da glicose. Este é o lugar onde uma via metabólica, chamada gliconeogênese se torna importante. Quando não comemos carboidratos, o corpo (principalmente fígado), pode produzir a glicose a partir da proteína e subprodutos do metabolismo da gordura. Por causa da cetose e gliconeogênese, nós realmente não precisamos comer um único grama de carboidrato – não, pelo menos, com a finalidade de abastecer o cérebro. Após a longa fase inicial de adaptação, muitas pessoas relatam a melhora do funcionamento do cérebro com uma dieta Low Carb.

Resumo: Em uma dieta Low Carb, uma parte do cérebro pode usar as cetonas como combustível. O corpo pode então produzir uma pequena quantidade glicose para atender as outras partes do cérebro.

9.Dietas de Baixo Carboidrato Destroi o Desempenho Físico

A maioria dos atletas fazem uma dieta rica em carboidratos e muitas outras pessoas acreditam que os carboidratos são essenciais para o desempenho físico. É verdade que a redução dos carboidratos leva a um desempenho reduzido no início. No entanto, isso é normal e temporário. Pode levar algum tempo para que o corpo se adapte a queima de gordura no lugar dos carboidratos. Muitos estudos mostram que as dietas de baixo carboidrato são realmente boas para o desempenho físico, especialmente nos exercícios de resistência, até que as pessoas se adaptem à dieta. Outros estudos mostram que as dietas de baixo carboidrato tem efeitos benéficos para a massa muscular e força.

Resumo: Low-carb dietas não são prejudiciais para o desempenho físico para a maioria das pessoas. No entanto, pode demorar algumas semanas para que o corpo se adaptar.

Conclusão

Por fim, as dietas de baixo carboidrato têm benefícios poderosos para a saúde. as Low Carbs são muito eficazes para as pessoas com obesidade, síndrome metabólica e diabetes tipo 2. Dito isto, mesmo que dietas de baixo carboidrato sejam benéficas, elas não são a resposta para todos. Cursos diferentes para diferentes pessoas.

Dieta de Baixo Carboidrato vs Dieta Vegetariana

Particularmente, nada contra os vegetarianos e vegans. Todo mundo tem o direito de tomar suas próprias decisões sobre a saúde e o que eles fazem com seus corpos. Não existe uma variedade de diferentes dietas perfeitas para que todas as pessoas obtenham resultados satisfatórios. O principal objetivo deste texto é ajudar as pessoas a tomar decisões informadas com base em evidências reais.

dieta-de-baixo-carboidrato

É Comum Escutar de Vegetarianos que a Dieta de Baixo Carboidrato é “Perigosa”

Há uma série de reivindicações feitas pelos proponentes vegans que se assemelham mais a propaganda do que qualquer outra coisa. Por exemplo, dizer que a dieta de baixo carboidrato é “perigosa” – que conduzem a doenças cardíacas, câncer e outros efeitos. Isto é completamente errado e não tem nenhuma base científica nisso. Neste artigo, a tentativa é a de desmascarar o mito de que as dietas vegetarianas e veganas são superiores às dietas de baixo carboidrato, pois a evidência científica diz que isso não é verdade .

Dieta de Baixo Carboidrato Demonstra Ser Superior à Dieta Vegetariana de pouca Gordura

Um estudo randomizado controlado comparando uma dieta baixa em carboidratos (Atkins) a uma de baixo teor de gordura, quase dieta vegana (Ornish). ECAs são os melhores tipos de estudos para provar causa e efeito em seres humanos. E esta é uma evidência científica, nada melhor. O estudo é chamado de A a Z  Estudo da Perda de Peso e foi conduzido por pesquisadores da Universidade de Stanford. Nele, foram testadas quatro dietas diferentes: Atkins, Ornish, Zona e APRENDA. A concentração aqui vai ser na Atkins e Ornish. Os personagens do estudo são as mulheres que estavam com sobrepeso ou obesas. A elas foi dado um livro de dieta, ou “Atkins ou a Coma Mais, Pondere Menos” e receberam alguns conselhos sobre como seguir as duas dietas. A dieta Atkins, como você sabe, é uma dieta de baixo carboidrato rica em gordura, que inclui muitos alimentos animais e vegetais. A dieta Ornish é uma dieta vegetariana com teor ultra-baixo de gordura (10% de calorias) que inclui quase nada de alimento de origem animal, pequenas quantidades de laticínios e ovos brancos são permitidos com moderação. Um total de 77 pessoas foram submetidas ao grupo da dieta de Atkins, enquanto 76 foram designados para a Ornish. O estudo se estendeu por 12 meses. Este estudo é representativo pelos resultados reais. Pessoas que compram um livro de dieta, fazendo um compromisso com uma dieta e fazem o seu melhor para seguir.

Resultado do Estudo

Todas as dietas são difíceis de furar. No final, o grupo Atkins reduziu a ingestão de carboidratos em 30% , enquanto o grupo Ornish tinha começou a comer cerca de 30% de gordura e alguma quantidade de derivado animal.
Perda de peso: Indivíduos no grupo Atkins perderam mais peso, , enquanto o grupo Ornish perderam apenas 2,6 kg. No entanto, a diferença não foi estatisticamente significativa em 12 meses.

Quando você olha para bioindicadores de saúde, você vê onde a dieta de baixo carboidrato realmente começa a brilhar:

Pressão Arterial Sistólica: queda de 7,6 mmHg em Atkins, uma queda de 1,9 mmHg na Ornish.

Pressão arterial diastólica: Abaixo 4.4 mmHg em Atkins, uma queda de 0,7 mmHg na Ornish.

HDL (o bom colesterol): Até 4,9 mg / dL em Atkins, não muda em nada a Ornish.

Os triglicéridios no sangue: diminuição de 29,3 mg / dL em Atkins, uma redução de 14,9 mg / dL em Ornish.

Outros indicadores como a glicose e a insulina também melhoraram na Atkins, mas não alcançaram significância estatística. O colesterol LDL melhorou ligeiramente na dieta Ornish, durante os dois primeiros meses, mas em seguida a diferença diminuiu e não foi estatisticamente significativa. Houve uma diferença impressionante na taxa de abandono. 88% do grupo de Atkins chegou ao fim, em comparação com 78% em Ornish. Para colocar os dados de outra forma, o risco relativo de abandono foi de 1,9 na dieta Ornish em comparação com a dieta Atkins, o que significa que os os praticantes da dieta vegetariana de baixo teor de gordura eram quase duas vezes mais propensos a não fazê-la até o final do estudo. Fora de todas as quatro dietas, os seguidores da dieta Atkins eram mais propensos a fazê-lo até o fim. No entanto, a diferença não foi estatisticamente significativa. Basicamente, existem várias vantagens muito importantes para a dieta Atkins, enquanto foram zero vantagens para a dieta Ornish. A dieta Atkins teve o melhor desempenho de todas as quatro dietas, enquanto Ornish foi de longe a pior. Esta é uma evidência científica e mostra que as dietas de baixo carboidrato (que incluem carne) são superiores às dietas veganas, pelo menos para as mulheres na pré-menopausa com sobrepeso / obesidade.

O estudo chinês

O estudo chinês é um estudo observacional que, aparentemente provou os efeitos nocivos dos alimentos de origem animal e tem sido muito usado como propaganda vegan. Este estudo foi um estudo observacional realizado por um cientista tendencioso que estava loucamente apaixonado por suas teorias. Citar um estudo observacional, quando você já tem ensaios clínicos randomizados, mostrando o resultado oposto é algo sem sentido. Os dados do estudo chinês tem sido analisado por cientistas objetivos e eles descobriram que os dados não suportam as conclusões do autor. Simplificando, o estudo chinês chega a conclusões derivadas da sua pseudociência. Leia estas excelentes artigos para críticas do estudo china :

Denise Minger – O Estudo da China: Fato ou Falácia?

Chris Masterjohn – O Dr. Campbell não vai dizer nada sobre o Estudo da China.

Ético? Talvez. Saudável? Não Mesmo.

Aplauso à todos aqueles que desejam evitar alimentos de origem animal por suas razões éticas. Mas, não perca o sono por comer outros seres vivos, a carne faz parte da humanidade. Mas a evidência de benefícios para a saúdedas dietas veganas é instável no seu melhor e principalmente, os dados citados são escolhidos à dedo. As dietas veganas podem ser mais saudáveis do que as dietas do padrão ocidental. Mas, praticamente qualquer dieta se encaixa nessa descrição. Certamente que a curto prazo, as pessoas podem ver enormes benefícios saudáveis de uma dieta vegan, o que reduz a sua ingestão de alimentos tóxicos, como a adição de açúcares, cereais refinados, gorduras trans e de alta ingestão de Omega-6 de óleos vegetais. Mas, com 100% de certeza, uma dieta baseada em plantas e que não inclui nada de alimentos de origem animal não pode ser mais saudável do que uma que inclui. Assim, da mesma forma como uma dieta de muito baixo carboidrato e baseada estritamente em alimentos de origem animal, seria muito mais saudável se contivesse pelo menos um pouco de vegetais. Os seres humanos são onívoros. Precisamos de ambos, animais e plantas.

Se Você Escolhe Ser Vegan Certifique-se dos Nutrientes que Você Precisa Ingerir

Toda pessoa tem o direito de decidir o que quer comer. Se você optar por ser vegan, certifique-se de ser prudente sobre sua dieta e busque todos os nutrientes que você precisa. Complementar é necessário. Leia livros sobre o assunto, mesmo que sejam tendenciosos contra a dieta de baixo carboidrato, ao menos vão saber como aplicar com segurança uma dieta vegan. No fim das contas, não há um caminho certo para comer. Algumas pessoas prosperam com a dieta de baixo carboidrato, que inclui alimentos de origem animal, outros que podem sentir-se bem em uma dieta vegan. A dieta de baixo carboidrato é comprovada por evidências científicas disponíveis, que  mostram que esta dieta é realmente saudável. Cursos diferentes para povos diferentes!