Os Benefícios da Aveia para Saúde

A aveia é um cereal integral, conhecido cientificamente como Avena sativa. A aveia é cultivada principalmente na América do Norte e Europa. O grão é uma boa fonte de fibras, especialmente beta-glucana, mas, a aveia também é rica em vitaminas, minerais e antioxidantes. Quando é integral, é a única fonte de um único grupo de antioxidantes chamado avenanthramides, que possui efeitos protetores contra a doença cardíaca. Devido aos seus efeitos benéficos à saúde, como a redução dos níveis de açúcar no sangue e colesterol, a aveia ganha interesse considerável por ser um alimento com valor nutricional saudável. A aveia é mais comum moída e servida misturada e em forma de mingau feito da farinha de aveia, em produtos de panificação e granola. A aveia em grão integral é chamada de grumos de aveia, normalmente são laminados ou esmagados em flocos planos tostados para produzir a farinha de aveia. A aveia rápida, instantânea ou é feita de aveia mais finas laminadas ou cortadas, que absorvem água muito mais facilmente e, portanto, cozinha mais rápido. O farelo de aveia (a camada externa rica em fibras dos grãos) é frequentemente consumido separadamente como um cereal, ou em pães. Para produzir aveia infantil, muitas vezes a aveia é transformada em pó, o que torna uma papa espessa, quando misturada com água. A aveia tem uma composição nutricional equilibrada . Em peso seco, a aveia consiste em carboidratos (62 %), proteína de boa qualidade (19 %), gordura (7,5 %) e as fibras (12 %).

beneficios-da-aveia

 

Carboidratos

Os carboidratos compõem 66% da aveia e o teor de açúcar é de apenas 1%, provenientes de sacarose. Cerca de 10% dos carboidratos são de fibra e 85% , compostos de amido.

Amido

O amido é o único grande componente da aveia, constituídos de longas cadeias de moléculas de glicose, o amido da aveia é diferente do amido de outros cereais. Ele tem um teor de gordura mais elevado e uma viscosidade mais elevada (capacidade de se ligar a água). Três tipos de amidos são encontrados nos grãos da aveia, classificados na matéria como benefícios a digestão.

Os principais amidos em aveia são:

Amido de digestão rápida (7 %) é rapidamente quebrado e absorvido, como a glicose.

Amido digerido lentamente (22 %) é quebrado e absorvido mais lentamente.

O amido resistente (25%) funciona como um tipo de fibra. Ele ajuda na digestão e melhora a saúde do intestino, alimentando as bactérias do intestino amigas.

A aveia contém quase 11 % de fibra e o mingau contém 1,7% de fibra. A maior parte da fibra da aveia solúvel é chamada beta-glucano. A aveia também contém fibras insolúveis, incluindo a lenhina, celulose e hemicelulose. A aveia ainda possui mais fibra solúvel do que outros grãos, fazendo com que a digestão seja mais lenta, aumenta a saciedade e a supressão do apetite. Os beta-glucanos são únicos entre as fibras, uma vez que podem formar uma solução viscosa (semelhante a um gel) com uma concentração relativamente baixa . A aveia integral crua possui a quantidade de beta -glucana está na faixa de 2,3-8,5%, a maioria concentrada no farelo de aveia . Os beta-glucanos são conhecidos pelos níveis de colesterol e aumento da excreção dos ácidos biliares. Ainda se acredita que eles causam uma redução do açúcar no sangue e nos níveis de insulina após uma refeição rica em carboidrato. O consumo diário de beta-glucanos revelou a diminuição do colesterol, especialmente do LDL (“ mau”colesterol) , o que pode reduzir o risco de doença cardíaca .

Proteína

A aveia é uma boa fonte de proteína de qualidade, variando de 11-17 %, em peso seco, o que é maior do que a maioria dos outros grãos. A principal proteína da aveia é chamada avenalin (80%), que não é encontrada em qualquer outro grão, mas é semelhante às proteínas do legume. Uma proteína em menor proporção é a prolamina chamada avenina, que está relacionada ao glúten do trigo. No entanto, a aveia pura é considerada segura para a maioria das pessoas com intolerância ao glúten.

Gordura

A aveia integral contém mais gordura do que a maioria dos outros grãos, variando de 5-9%. Ela consiste principalmente em ácidos gordos insaturados.

Vitaminas e Minerais

A aveia é rica em muitas vitaminas e mineral. Os principais estão listados abaixo:

Manganês: Normalmente encontrado em grande quantidade em grãos integrais, este mineral é importante para o desenvolvimento, crescimento e metabolismo.

Fósforo: Um mineral importante para a saúde óssea e manutenção dos tecidos.

Cobre: ​​Um mineral antioxidante que muitas vezes falta na dieta ocidental. Considera-se importante para a saúde do coração.

Vitamina B1: Também conhecida como tiamina, esta vitamina é encontrada em muitos alimentos, incluindo grãos, feijão, nozes e carne.

Ferro: Como componente da hemoglobina, uma proteína responsável pelo transporte do oxigênio no sangue, o ferro é absolutamente essencial na dieta humana.

Selênio: Um antioxidante, importante para vários processos do corpo. O baixo índice de selênio tem sido associado ao aumento do risco de morte prematura e comprometimento da função imunológica e mental.

Magnésio: Muitas vezes falta na dieta, este mineral é importante para inúmeros processos no corpo.

Zinco: Um mineral que participa de muitas reações químicas do corpo e é importante para a saúde geral.

Fito nutrientes

A aveia integral é rica em antioxidantes que podem proporcionar vários benefícios a saúde. Os principais fitonutrientes estão listados abaixo:

Avenathramides: Encontrado apenas na aveia, o avenathramides é uma família de antioxidantes poderosos. Eles podem reduzir à inflamação arterial e regular a pressão arterial.

Ácido Ferúlico: O polifenol antioxidante mais comum na aveia e em outros cereais.

ácido Fítico: Mais abundante no farelo, o ácido fítico é um antioxidante que pode prejudicar a absorção de minerais, como o ferro e zinco.

Benefícios Saudáveis da Aveia

Estudos confirmam que a aveia, farinha de aveia ou farelo de aveia, pode diminuir os níveis de colesterol, o que deve reduzir o risco da doença cardíaca.  A aveia também é reivindicada por baixar a pressão arterial e reduzir o risco da obesidade e diabetes tipo 2 [Se você tem Diabete Tipo 1 ou Tipo 2 Clique Aqui] .Listados abaixo estão os principais benefícios para a saúde de aveia e farelo de aveia.

Aveia Pode Reduzir o Colesterol

A doença cardíaca é a principal causa de morte no mundo e o colesterol no sangue é um importante fator de risco para as doenças cardíacas, especialmente a oxidação do colesterol LDL. Muitos estudos mostram redução dos níveis de colesterol no sangue, o que é atribuído principalmente ao teor de beta-glucano presente na aveia ou farelo de aveia. Sugerem-se dois mecanismos para esses efeitos de diminuição docolesterol. Em primeiro lugar, o beta-glucano pode retardar a absorção de gorduras e colesterol, aumentando a viscosidade do conteúdo do aparelho digestivo. Em segundo lugar, o beta-glucano se liga a ácidos biliares ricos em colesterol no intestino, produzidos pelo fígado para auxiliar a digestão. Em seguida, os beta-glucanos empurram o colesterol para baixo do trato digestivo e, eventualmente, para fora do corpo. Normalmente, os ácidos biliares são reciclados (re-absorvido) pelo sistema digestivo, mas inibe o beta-glucano neste processo de reciclagem, que conduz a redução dos níveis de colesterol no organismo. Autoridades aprovaram a alegação de saúde, que alimentos que contenham pelo menos 3 gramas de beta-glucano por dia, pode reduzir o risco de doença cardíaca.

Aveia e Diabetes Tipo 2 [Controle a Diabetes Clique Aqui e Veja o Vídeo]

A prevalência da diabetes tipo 2 aumenta dramaticamente nos últimos anos e décadas. A diabetes de tipo 2 caracteriza-se pela regulação anormal do açúcar no sangue, geralmente como resultado de uma diminuição da sensibilidade ao hormônio insulina. Os beta-glucanos, fibras solúveis de aveia, foram testadas em pacientes com diabetes tipo 2, mostrando efeitos benéficos sobre o controle do açúcar no sangue. Após as refeições ricas em carboidratos, com pequenas quantidades de beta-glucanos de aveia, foi mostrado que modera a ingestão de glucose e insulina. Em pacientes com diabetes tipo 2 e a resistência à insulina grave, a intervenção dietética de 4 semanas com farinha de aveia, resultou numa redução de 40% na dosagem de insulina necessária para estabilizar os níveis de açúcar no sangue. Estudos sugerem que a beta-glucanos podem alterar favoravelmente a sensibilidade à insulina, retardar ou prevenir o aparecimento da diabetes tipo 2, mas a revisão de um estudo recente conclui que as evidências são inconsistentes. A aveia cozida pode causar poucas respostas a glicose e insulina, mas as respostas aumentam significativamente se a aveia for moída antes de cozinhar.

Aveia e Aumento da Saciedade

A saciedade desempenha um papel importante no equilíbrio de energia. São os alimentos que nos impede de comer novamente até que a fome retorne. A sinalização da saciedade tem sido associada com a obesidade e diabetes do tipo 2.  Em um estudo ocupado com o efeito de saciedade de 38 alimentos comuns, classificou o mingau como o terceiro no geral e primeiro entre os pratos para o café da manhã. As fibras solúveis em água tais como os beta-glucanos, podem aumentar a saciedade, atrasando o esvaziamento do estômago, aumentando a distensão do estômago e promovendo a liberação de hormônios da saciedade. Testes feitos com humanos mostram que a aveia, rica em beta-glucanos, pode aumentar a saciedade e diminuir o apetite, quando comparado a um cereal embalado pronto para comer e a outros tipos de fibras dietéticas. Além de ser altamente saciante, a aveia em forma de mingau, é pobre em calorias e contêm muita fibra e outros nutrientes saudáveis, tornando-a um excelente alimento para uma dieta de perda de peso eficaz.

Dietas com Aveia e Sem Glúten

Uma dieta sem glúten é a única solução para os indivíduos que sofrem da doença celíaca. A aveia não contém glúten, mas contêm o mesmo tipo de proteína, chamada avenina. Estudos demonstram que a quantidade moderada ou mesmo grande de aveia pura, pode ser tolerada pela maioria dos pacientes com doença celíaca. Com isso, a aveia mostra aumento do valor nutricional das dietas sem glúten, aumentando tanto a ingestão de fibras como minerais e acaba sendo incluída nas dietas. O maior problema com a aveia com relação a dieta livre de glúten é a contaminação da aveia com o trigo, porque muitas vezes são cultivadas no mesmo local que outros grãos. Portanto, é importante aos pacientes com doença celíaca, que busquem  certificados de aveia “pura” ou “sem glúten”.

Outros benefícios Saudáveis da Aveia

As aveias estão sendo estudadas extensivamente em muitas outras áreas, como pesquisa do câncer, ainda em estágios iniciais. Há alguns outros benefícios que merecem menção, alimentando-se de aveia, para bebês, antes que atinjam os 6 meses de vida, tem sido associada a diminuição do risco de desenvolvimento de asma na infância. Alguns estudos indicam que a aveia pode estimular o sistema imunológico, aumentando a capacidade do corpo de combater as bactérias, vírus, fungos e parasitas. Nos idosos, o consumo da fibra em farelo de aveia pode melhorar o bem-estar e diminuir a necessidade de laxantes.

Efeitos Adversos

A aveia é geralmente bem tolerada, sem efeitos adversos em indivíduos saudáveis​​. Já os sensíveis podem apresentar sintomas adversos a aveia, semelhantes aos de intolerância ao glúten e deve excluir a aveia da dieta. A aveia pode ser contaminada com outros grãos, como o trigo, tornando-os impróprios para pessoas com doença celíaca (intolerância ao glúten) ou alergia ao trigo. É importante aos indivíduos alérgicos ou intolerantes ao trigo, ou a outros tipos de grãos, que comprem apenas aveia certificadas como pura de contaminação.

As 8 Razões para Aumentar os Níveis de Vitamina D

A vitamina D é mais do que apenas uma vitamina. Ela literalmente funciona como um hormônio esteróide no corpo.Se você pega um pouco de sol durante todo o ano e faz uso de protetor solar, então a suplementação com vitamina D é algo a se considerar.A deficiência da vitamina é extremamente comum nos países ocidentais e pode ter consequências desastrosas a longo prazo.Aqui estão 8 razões para obter seus níveis de vitamina D verificados e começar com suplementação, se necessário.

vitamina-d

1. É Difícil Conseguir o  Suficiente com Dieta

Quando os raios de sol tocam a pele, a vitamina D3 é produzido a partir do colesterol.Historicamente, esta é a principal fonte de vitamina D para os seres humanos.Hoje, no entanto… como as pessoas usam mais e mais protetor solar e evitam o sol, ou vivem onde não há sol, a deficiência é extremamente comum.Há duas formas principais de conseguir a vitamina D na dieta:

Vitamina D3 – Colecalciferol – a forma animal.
A vitamina D2 – Ergocalciferol – a forma da planta.

A forma animal (D3) aumenta os níveis no sangue, muito mais eficaz do que a D2.Infelizmente, há apenas uma fonte satisfatória de D3 na dieta. Uma colher de sopa de óleo de fígado de bacalhau, suprimentos de peixes 1350 UI, cerca do dobro da posologia.Outras fontes que podem ser satisfatórias incluem os peixes gordos e alimentos que têm vitamina D acrescentado (tais como leite fortificado), mas você teria que comer uma grande quantidade destes alimentos para cobrir suas necessidades.Claro, se você tem a opção (eu não… vivo na Islândia), de ficar um pouco mais no sol,  tomando o cuidado de não queimar a pele, é provavelmente a escolha mais saudável e natural.

2. Pode Reduzir o Risco de Morte

Duas meta-análises separadas dos estudos randomizados controlados revelam, que a suplementação com vitamina D pode reduzir a mortalidade total em cerca de 6-7%.Isto significa basicamente que se você está consumindo o suficiente de vitamina D a partir de sol ou dieta, então provavelmente você não vai morrer durante um certo período de tempo.

3. Pode Reduzir as Causas de Todo Tipo de Câncer

Existem muitos tipos diferentes de câncer, que se caracteriza pelo crescimento descontrolado de células no corpo.A vitamina D é um hormônio esteróide que pode atuar como um fator de transcrição, que viaja para os núcleos das células e transformam os genes ligado ou desligado. Há uma boa quantidade de evidências que sugerem que a deficiência da vitamina D está associada ao aumento do risco de diversos tipos de câncer.Em 4 anos de estudo controlado e randomizado, em 1179 mulheres pós-menopáusicas saudáveis, com 1100 IU de vitamina D3 (juntamente com o cálcio), reduziu o risco de desenvolver câncer de todas as causas em 60%.Um achado bastante significativo, dado que o câncer é uma das causas mais desagradáveis e comuns de morte. Vamos precisar de alguns ensaios clínicos a mais para confirmar isso.No entanto, há também vários estudos epidemiológicos (observacionais … não provam nada) que mostram uma relação inversa para os níveis de vitamina D e câncer.

4. Doenças Cardiovasculares

A doença cardiovascular é o assassino # 1 em todo o mundo … a causa mais comum de morte prematura.Vários estudos epidemiológicos (de novo, não provam nada) sugerem que baixos níveis de vitamina D podem levar a fatores de risco elevados e aumento do risco de ataques cardíacos, mas até agora, estudos controlados não são conclusivos.

5. Reduz a Incidência da Diabetes Tipo I em Crianças

Diabetes do tipo I é uma doença auto-imune causada pelo sistema imunológico, que ataca as células produtoras de beta insulina do pâncreas.Esta doença é geralmente diagnosticada em uma idade jovem e costuma ser fatal antes da descoberta da insulina.Um cortejo de 10.921 latentes, seguidos desde o dia do nascimento, revelou que aqueles que foram suplementados com 2.000 UI por dia de vitamina D tiveram um risco 78% inferior de desenvolvimento de Diabetes Tipo I.Uma meta-análise de estudos epidemiológicos confirmou este achado, mostrando uma redução no risco de 39% e o potencial para uma relação de dose-resposta.Além disso, há uma grande quantidade de dados que ligam a suplementação de vitamina D a um risco reduzido de diabetes tipo II em adultos.

6. Reduz Quedas e Fraturas nos Idosos

Os idosos correm particularmente, alto risco de deficiência, em parte porque eles não recebem tanto sol.Em ensaios clínicos randomizados de idosos, que complementam com a vitamina D, diminuem risco de ambos, as quedas e fraturas. A dose necessária é 800 IU (pelo menos) – 400IU não teve nenhum efeito.

7. Pode Proteger Contra a Gripe e Ataques de Asma

Em crianças em idade escolar, um estudo randomizado controlado revelou que a suplementação com vitamina D reduziu o risco de infecção por influenza A em 42% e também reduziu significativamente a ocorrência de ataques de asma.Baixos níveis sanguíneos de vitamina D não parecem estar associados com o aumento de infecções respiratórias, sugerindo que ele tem um papel importante na defesa imunológica.

8. A Dose Diária Recomendada Pode Ser Muito Baixa

Muitos especialistas acreditam que a dose diária recomendada é muito baixa, especialmente para pessoas que não estão muito expostas ao sol.Anteriormente, foi acreditado principalmente, que a vitamina D pode causar raquitismo nas crianças. Hoje, o status da vitamina D já foi implicada em uma série de outras doenças, algumas das quais matam milhões de pessoas todos os anos.Está além do escopo deste artigo para explorar todos eles, mas parece bastante simples que otimizar seus níveis de vitamina D pode ajudá-lo a viver uma vida mais longa e saudável.Esteja ciente de que, na maioria dos estudos acima, as doses utilizadas foram bastante pequena. É uma possibilidade concreta de que o resultado seria muito mais forte, se utilizado doses mais elevadas.

Verifique o Seu Nível de Vitamina D!

Se você não pega sol, acho que você pode ser deficiente. Então você precisa visitar um médico e ter seus níveis de 25-hidroxi-vitamina D medido (a forma de armazenamento da vitamina).De acordo com o Conselho de vitamina D, um nível de sangue de 50-80 ng / ml (125-200 nmol / L) é a melhor aposta para uma boa saúde e prevenção de doenças.Se você é deficiente, aumentar a exposição ao sol não é uma opção. No caso, você deve começar a suplementação com vitamina D3. Escolha uma marca que possa encher uma tampa cheia de óleo, porque é uma vitamina solúvel em gordura.A dose necessária depende do indivíduo e precisa ser otimizado ao longo do tempo. Existe o risco de toxicidade, mas é extremamente baixa. Você precisa tomar uma quantidade ridícula de vitamina por longos períodos de tempo para que isso aconteça.Se você decidir obter a vitamina D do sol, cuidado para não se queimar.Eu tomo uma colher de sopa de óleo de fígado de bacalhau todos os dias, e assim completo os 6.000IU de vitamina D3 durante todo o inverno. Isso traz a minha total diária de cerca de 7.000 UI por dia.Você pode precisar de mais, ou menos, ou você pode não precisar. Apenas o seu médico e um exame de sangue pode dar-lhe a resposta.

7 Razões para optar pela dieta de baixo carboidrato

Nem todo mundo deve fazer a mesma dieta.Nós somos todos diferentes e o que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra. No entanto, uma grande parte da população pode se beneficiar por uma dieta de baixo carboidrato. Na verdade, há muito poucas coisas em nutrição que são tão rigorosamente comprovadas a serem eficazes, como as dieta de baixo carboidrato para aqueles que:

Para esses transtornos (que por acaso são os maiores problemas de saúde no mundo), temos pelo menos 21 estudos controlados que comprovam, sem sombra de dúvida, que dieta de baixo carboidrato, produzem os melhores resultados do que a dieta de baixa gordura que normalmente é prescrita.

1. Dieta de baixo carboidrato permite menos esforço com a restrição de calorias

Em estudos onde as dietas de baixo teor de gordura e baixo teor de carboidratos são comparadas, os participantes da dieta de baixo carboidrato são frequentemente autorizados a comer à vontade, enquanto os grupos de gordura precisam contar calorias e controlar porções.Apesar disso, os participantes da dieta de baixo carboidrato tendem a comer a mesma quantidade, ou até mesmo, menos calorias do que os grupos de baixo teor de gordura, devido à redução do apetite como efeito da dieta. Portanto, dieta de baixo carboidrato levar a “automática” perda de peso . Não há necessidade de controlar porções, se os carboidratos são mantidos baixos.

dieta-de-baixo-carboidrato

2. Dieta com Baixo carboidrato leva a uma maior perda de peso

A Dieta de Baixo carboidrato, quase que invariavelmente leva a uma maior perda de peso do que as dietas que restringem a gordura. Eventualmente, a diferença é pequena, enquanto outras, é perdida 2-3 vezes mais de gordura. Quando a dieta foi testada, foi notado que a maior proporção de gordura perdida com a dieta de baixo teor de carboidratos, foi da área abdominal.Isto significa que a gordura visceral profunda, altamente associada a diabetes, doenças cardíacas e a aparência desfavorável, é especialmente vulnerável aos efeitos das dieta de baixo carboidrato e queima de gordura.

3. Pouco carboidrato diminui triglicerídeo

Os níveis sanguíneos de triglicerídeos são um importante fator de risco para doenças do coração e possuem correlação direta com a quantidade de carboidratos simples na dieta.Por essa razão, parece intuitivo que dieta de baixo carboidrato levariam a uma redução dos triglicerídeos, enquanto a dieta de baixa gordura os aumenta. Este é certamente o caso. Dieta de baixo carboidrato reduzem drasticamente os triglicerídeos, enquanto as dietas de baixa gordura ou não melhoram muito, ou literalmente, os torna pior.

4. Dieta com pouco carboidrato aumenta o colesterol HDL

Os níveis de colesterol HDL ( o colesterol “bom” ) são um importante fator de prevenção para a doença cardíaca. O HDL transporta o colesterol para longe dos periféricos do corpo e para o fígado, para sua reutilização ou excreção.Outro efeito importante das dieta de baixo carboidrato são que elas aumentam os níveis de HDL, enquanto dietas de baixa gordura tendem a aumentá-los menos ou até mesmo diminuí-los. O Triglicerídeo: HDL é um indicador muito confiável para a resistência à insulina, síndrome metabólica e risco de doença. Portanto, as dieta de baixo carboidrato, é muito melhor para o seu coração e sua saúde, do que a dieta de baixa gordura que ainda governa as principais recomendações.

5. Padrão de colesterol LDL melhora

Concentração de LDL, o “mau” colesterol, é o fator de risco que parece não melhorar muito em dieta de baixo carboidrato. Há um monte de variação individual aqui, e em alguns casos até mesmo o colesterol LDL aumenta ligeiramente com a dieta. No entanto, a situação é um pouco mais complicada do que algumas pessoas podem pensar. Há mais de uma forma de LDL. Primeiramente, temos as pequenas moléculas de LDL, densas e lembram um projétil de uma arma de fogo. Eles oxidam facilmente e penetram nas paredes das artérias. Além do mais, nós temos as grandes moléculas de LDL, macias como bolas de algodão peludas. Eles não tendem a apresentarem-se nas artérias e causam doença cardíaca. Um fator de risco importante é saber se as moléculas de LDL são do tipo pequeno, denso (Padrão B) ou grande, tipo macio (padrão A). As partículas pequenas e densas são ruins, enquanto as grandes e macias são boas. Em dieta de baixo carboidratos, afastam-se do padrão B (B = ruim) e rumam para o padrão A (A = boa). Então, na realidade, apesar das dieta de baixo carboidratos não levarem a uma efetiva redução total do LDL, não parecem transformar as moléculas de LDL em formas benignas.

6. Dieta com pouco carboidrato melhora o controle glicêmico

O grupo que se beneficia ao máximo das dieta de baixo carboidrato são diabéticos. Diabéticos têm uma incapacidade de transportar a glicose em células. Carboidratos = glicose, e o excesso de glicose na corrente sanguínea é tóxico. Menos carboidratos = menos glicose para os diabéticos. Isto leva a diminuir os níveis de açúcar no sangue, diminui a necessidade de insulina e de medicamentos para a redução de glicose. Em muitos casos, a dieta de baixo carboidrato apresenta-se como cura da grave doença conhecida como diabetes tipo II. Alguns médicos que rotineiramente prescrevem essas dietas, na prática, muitas vezes podem diminuir a insulina em 50% no primeiro dia da dieta, em seguida, muitos pacientes podem reduzir ou mesmo parar de tomar a medicação (efetivamente curado) em questão de semanas ou meses.

7. Dietas com pouco carboidrato apresentam-se como as mais

Apesar de restringir grupos alimentares inteiros, há pessoas que pensam que é impossível a dieta de baixo carboidrato realmente serem mais fácil do que as dietas de baixa gordura. Isto significa que, fora as pessoas que já admitem a dieta de baixo carboidrato, mais pessoas tendem a a aceitar a dieta ao final do estudo.

Conclusão

É um fato científico, que as dieta de baixo carboidrato é a mais fácil, saudável e a mais efetiva forma de perder peso e reverter doenças metabólicas.