Arsênico no Arroz: Você Deveria se Preocupar?

O arsênico é um dos elementos mais tóxicos do mundo. Ao longo da história, essa substância tem se infiltrado na nossa cadeia alimentar. No entanto, esse problema foi piorando. A poluição difusa está elevando os níveis do arsênico nos alimentos, o que representa um sério risco à saúde. Recentemente, estudos detectaram altos níveis de arsênico no arroz. Esta é uma grande preocupação, uma vez que o arroz é um alimento básico para grande parte da população do mundo. Você deveria estar preocupado? Vamos dar uma olhada.

arsenio

O Que É Arsênico?

O arsênico é um oligoelemento tóxico. Não é normalmente encontrado em si próprio, mas em outros compostos químicos. Estes compostos podem ser divididos em duas grandes categorias:

  1. Arsênico Orgânico: Principalmente encontrado nos tecidos de plantas e animais.
  2. Arsênico Inorgânico: Encontrado em rochas e solo, ou dissolvido na água, a forma mais tóxica.

Ambas as formas são naturalmente presentes no ambiente, mas, os níveis do arsênico têm aumentado devido à poluição. Por uma série de razões, o arroz pode acumular uma quantidade significativa de arsênico inorgânico (a forma mais tóxica) do ambiente.

Resumo: O arsênico é um elemento tóxico naturalmente presente no nosso ambiente. É dividido em dois grupos, o arsênio orgânico e inorgânico, com o arsênico inorgânico sendo a forma mais tóxica.

Fontes de Arsênico

O arsênico é encontrado em quase todos os alimentos e bebidas, normalmente encontrado em pequenas quantidades. Em contraste, os níveis relativamente elevados encontram-se em:

  • Água para Beber Contaminada: Milhões de pessoas ao redor do mundo estão expostas a água que contém grandes quantidades de arsênico inorgânico potável. Isso é mais comum na América do Sul e Ásia.
  • Frutos do Mar: Peixe, camarão, mariscos e outros frutos do mar podem conter quantidades significativas de arsênico orgânico, a forma menos tóxica. No entanto, mexilhões e certos tipos de algas marinhas podem conter arsênico inorgânico.
  • Arroz: Arroz acumula mais arsênico do que outros alimentos. De fato, é a maior fonte de alimento único de arsênico inorgânico, que é a forma mais tóxica.

Altos níveis de arsênico inorgânico foram detectados em muitos produtos à base de arroz, tais como:

  • Leite de Arroz.
  • Farelo de Arroz.
  • Cereais de Arroz.
  • Alimentos Compostos de Arroz.
  • Biscoito de Arroz.
  • Xarope de Arroz Marrom.
  • Barras de Cereais que contêm arroz ou xarope de arroz marrom.

Resumo: Frutos do mar contêm arsênico, principalmente na forma orgânica. Arroz e de produtos à base de arroz podem conter níveis elevados da forma inorgânica (mais tóxicas).

Por Que o Arsênic é Encontrado no Arroz?

O arsênico aparece naturalmente na água, no solo e rochas, mas os seus níveis podem ser maiores em algumas áreas do que em outras. O arsênico facilmente entra na cadeia alimentar e pode acumular em quantidades significativas, tanto em animais como em plantas, que podem ser consumidos pelos seres humanos. Como resultado das atividades humanas, que geram poluição, tendem a aumentar o nível de arsênico.

As principais fontes de poluição de arsênico incluem pesticidas e herbicidas, conservantes de madeira, fertilizantes fosfatados, resíduos industriais, atividades de mineração, queima de carvão e de fundição. O arsênico muitas vezes drena as águas subterrâneas, que é fortemente poluída em muitos lugares do mundo. A partir das águas subterrâneas, o arsênico encontra seu caminho em poços e outras fontes de água, que podem ser utilizadas para a irrigação de culturas e para cozinhar. O arroz em casca é particularmente suscetível a contaminação de arsênico, por três razões:

  1. É cultivada em campos inundados (várzeas) que exigem grandes quantidades de água para irrigação. Em muitas áreas, esta água de irrigação está contaminada com arsênico.
  2. Arsênico pode acumular-se no solo de campos de arroz, agravando o problema.
  3. Arroz absorve mais arsênico da água e do solo em comparação com outros tipos de alimentos.

O uso de água contaminada para cozinhar é outra preocupação, porque grãos de arroz absorvem facilmente arsênico da água de cozimento quando eles são cozidos.

Resumo: O arroz absorve eficientemente o arsênico da água de irrigação, solo e até mesmo pela água de cozinhar. O arsênico é de origem natural, mas a poluição é muitas vezes responsável pelos níveis mais elevados.

Efeitos do Arsênico para a Saúde

Altas doses de arsênico são altamente tóxicas, causando vários sintomas adversos e até mesmo a morte. O arsênico está geralmente apresenta-se em baixas quantidades e não causam quaisquer sintomas imediatos de envenenamento. No entanto, a ingestão a longo prazo de arsênio inorgânico, pode causar vários problemas de saúde e aumentar o risco de doenças crônicas, que incluem:

  • Vários tipos de câncer.
  • Estreitamento e bloqueios de vasos sanguíneos (doença vascular).
  • Pressão sanguínea alta (hipertensão).
  • Doença cardíaca.
  • Diabetes tipo 2.

Além disso, o arsênico é tóxico para as células nervosas e pode afetar a função cerebral. Em crianças e adolescentes, a exposição ao arsênico tem sido associado com:

  • Falta de concentração, e problemas de aprendizado e memória.
  • Redução da inteligência e competência social.

Algumas destas deficiências podem ter ocorrido antes do nascimento. Vários estudos indicam que a ingestão elevada de arsênio entre mulheres grávidas tem efeitos adversos sobre o feto, aumentando o risco de defeitos de nascença, que dificultam o desenvolvimento.

Resumo: Os sintomas tóxicos do arsênico na dieta geralmente levam muito tempo para se desenvolver. Ingestão a longo prazo pode aumentar o risco de vários problemas de saúde, incluindo o câncer, doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e diminuição da inteligência.

O Arsênico no Arroz é um Problema?

Sim. Não há dúvida sobre isso, o arsênico no arroz é um problema. Isso pode representar um risco para a saúde daqueles que comem arroz todos os dias em quantidades consideráveis. Isso se aplica principalmente na Ásia onde as dietas à base de arroz são comuns. Existem outros grupos que consomem muitos produtos derivado do arroz, que incluem crianças, jovens e aqueles com uma dieta livre de leite ou glúten. O arroz com base em fórmulas infantis, biscoitos de arroz, pudim e leite de arroz, por vezes, se tornam grande parte dessas dietas. As crianças pequenas são especialmente vulneráveis ​​por causa do seu pequeno tamanho corporal. Portanto, alimentar uma criança com cereal de arroz todo dia pode não ser uma boa idéia. Uma preocupação adicional é o xarope de arroz, um adoçante derivado do arroz, que pode ser rico em arsênico e é frequentemente usado em fórmulas infantis. Claro, nem todo o arroz contém níveis elevados de arsênico, mas a determinação do teor de arsênico de um produto de arroz, pode ser difícil (ou impossível) serem medidas em um laboratório.

Resumo: A contaminação por arsênico é uma séria preocupação para os milhões de pessoas que dependem do arroz como alimento principal. As crianças pequenas também estão em risco, se os produtos à base de arroz fazem parte da dieta.

Como Reduzir o Arsênico no Arroz

O teor de arsênico do arroz pode ser reduzido por meio de lavagem e cozimento com água limpa. Isto é eficaz para o arroz branco e marrom, com a redução do teor de arsênico em até 57%. No entanto, se a água de cozimento é alto teor em arsênico, o efeito pode ser o oposto e o aumento o teor de arsênico um perigo significativo. As dicas a seguir devem ajudar a reduzir o teor de arsênico no arroz:

  • Use bastante água para cozinhar.
  • Lave o arroz antes de cozinhá-lo. Esse método pode reduzir de 10–28% do arsênico.
  • O arroz marrom contém maiores quantidades de arsênico do que o arroz branco.
  • Escolha o arroz aromático, como o basmati ou jasmin.
  • O arroz da região do Himalaia, norte da Índia, Paquistão e Nepal, são ótimas opções.
  • Se possível, evite o arroz cultivado durante a estação de seca. O uso de água contaminado por arsênico é mais comum nessa fase.

A última e mais importante peça de aconselhamento diz respeito à sua dieta como um todo. Certifique-se de diversificar a sua dieta, comendo alimentos diferentes. Sua dieta não precisa ser dominada por apenas um tipo de alimento. O consumo de diferentes tipos de alimentos, garante todos os nutrientes que você precisa e evita algumas complicações.

Resumo: Você pode seguir algumas dicas simples de métodos de cozimento para reduzir o teor de arsênio do arroz. Também tenha em mente, que alguns tipos de arroz, como a basmati e jasmim, são mais baixos em arsênico.

Conclusão

O arsênico no arroz é uma séria preocupação para muitas pessoas. Uma grande porcentagem da população mundial, depende de arroz como fonte de alimento principal e milhões de pessoas podem estar correndo o risco de desenvolver problemas de saúde relacionados com o arsênico. Dito isto, se você comer arroz com moderação, como parte de uma dieta variada, os riscos são poucos. No entanto, se o arroz passa a ser grande parte da sua dieta, tome as devidas medidas de segurança, explícitas no corpo deste artigo.

Carne Processada: Por que é Ruim

A carne processada é geralmente considerada insalubre e está associada com doenças cancerígenas e cardíacas, constatado em muitos estudos. Não há dúvida de que a carne processada contém muitas substâncias químicas nocivas que não estão naturalmente presentes na carne fresca. Este artigo lança um olhar detalhado sobre os efeitos na saúde de carne processada.

carne-processada

O Que É a Carne Processada?

É a carne que foi preservada pela cura, salgada, defumada, seca ou em conservas. Entre os produtos alimentícios classificados como carne processada estão:

  • Linguiça, cachorro quente, salame.
  • Bacon, hmmmm.
  • Carne salgada e curada, charque.
  • Carne defumada.
  • Carne seca.
  • Carne enlatada.

Resumo: Toda a carne defumada, salgada, curada, seca ou enlatada é considerada processada. Isso inclui lingüiças, salsichas, salame, bacon e presunto.

Comer Carne Processada Está Associado um Estilo de Vida Ruim para a Saúde

A carne processada está consistentemente associada com efeitos nocivos para a saúde. Este é um fato, que as pessoas conscientes sobre saúde sabem por décadas. Por esta razão, o consumo de carne processada é mais comum entre as pessoas com hábitos de vida pouco saudáveis. De fato, o tabagismo é o mais comum entre aqueles que comem muita carne processada. Além de dados levantados, que mostram que a ingestão de frutas e legumes também é muito menor para quem fuma.

A maioria dos estudos observacionais, sobre a carne processada e os resultados para a saúde, tentam corrigir o consumo de tais produtos. No entanto, estes métodos não são perfeitos. É possível, que as ligações encontradas entre a carne processada e a doença. Normalmente, as pessoas, que comem carne processada, tendem a agir em direção dos fatores associados a um estilo de saúde menos saudável. No entanto, estudos consistentes encontram possuem fortes ligações entre o consumo de carne processada e várias doenças crônicas.

Resumo: Pessoas que não estão preocupados com a saúde tendem a comer mais carne processada. Isso pode explicar em partes algumas das associações encontradas com os estudos que investigam o consumo de carne processada e das doenças possíveis doenças relacionadas.

Carne Processada também está Associada à Doenças Crônicas

Comer carne processada está associado com o risco aumentado de muitas doenças crônicas, entre essas estão:

  • A pressão arterial elevada (hipertensão).
  • Problema Cardíaco.
  • Doença de obstrução pulmonar crônica.
  • Intestino e estômago câncer.

Os estudos sobre o consumo de carne processada feitos com seres humanos são todos observacionais e concluem que as pessoas com o hábito de come carne processada são mais propensas a obter estas doenças, mas os estudos observacionais não podem provar que a carne processada foi o que realmente lhes causou. Mesmo assim, a evidência é convincente porque as ligações são fortes e consistentes.

Além disso, tudo é apoiado por estudos feitos também com animais. Por exemplo, estudos com ratos mostram que a ingestão de carne processada aumenta o risco de câncer no intestino. Uma coisa é clara, carne processada contém compostos químicos prejudiciais, que podem aumentar o risco de doenças crônicas. Os compostos mais estudados são discutidos abaixo.

Resumo: Comer grandes quantidades de carne processada por um longo período, pode aumentar o risco de muitas doenças crônicas, como doenças cardíacas e câncer.

Nitrito, Compostos N-nitrosos e Nitrosaminas

Os compostos N-nitrosos são substâncias cancerígenas que podem serr responsáveis por alguns dos efeitos adversos do consumo vindo da carne processada. São formados a partir de nitrito (nitrito de sódio), que é adicionado nos produtos das carnes processadas. O nitrito de sódio é usado como um aditivo por três razões:

  1. Para preservar a cor vermelha / rosa de carne.
  2. Para melhorar o sabor por suprimir a oxidação de gordura.
  3. Para prevenir contra bactérias, um melhor sabor e corta o risco de intoxicação alimentar.

O nitrito e os compostos relacionados, tais como o nitrato, também são encontrados em outros alimentos. Por exemplo, o nitrato é encontrado em níveis relativamente elevados em alguns vegetais e podem até mesmo ser benéficos para a saúde. No entanto, nem todos os nitritos são iguais. O nitrito encontrado na carne processada pode se transformar em compostos N-nitrosos nocivos, os mais estudados são as nitrosaminas. A carne processada é a principal fonte alimentar das nitrosaminas. Outras fontes, incluem a água contaminada, fumo de tabaco e alimentos salgados em conserva.

As nitrosaminas são formadas, principalmente, quando os produtos de carne processada são expostos a altas temperaturas (acima de 130 ° C), tais como o bacon frito ou salsichas grelhadas. Os estudos com animais indicam que as nitrosaminas podem desempenhar um papel importante na formação de câncer do intestino. Isto é suportado por estudos por estudos de observação com seres humanos, o que indica que as nitrosaminas pode aumentar o risco de câncer.

Resumo: Carne processada, frita ou grelhada, pode conter vários níveis relativos de nitrosaminas. Estudos sugerem que estes compostos aumentem o risco de câncer no estômago e intestino.

Hidrocarbonetos Aromático Policíclicos

A carne defumada é um dos métodos mais antigos de preservação, muitas vezes utilizada em combinação com a salgada ou seca. Isso conduz à formação de diversas substâncias potencialmente nocivas, chamados de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos. São uma grande classe de substâncias formadas quando a matéria orgânica queima e saem em forma de fumaça e se acumulam na superfície dos produtos da carne defumada, que é o churrasco, grelhado ou assado na fogueira. Eles podem ser formados a partir de:

  • Lenha ou carvão.
  • Pingando gordura que queima em uma superfície quente.
  • Carne queimada ou carbonizada.

Por esta razão, os produtos de carne defumada pode ser mais elevado com os hidrocarbonetes em questão. Acredita-se, que eles possam contribuir para alguns dos efeitos adversos causados na saúde pela carne processada. Muitos estudos com animais demonstram que alguns hidrocarbonetos podem causar câncer.

Resumo: Produtos de carne defumada pode conter grandes quantidades de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAP). Estes compostospodem ser motivo para causar câncer.

Aminas Heterocíclicas (HCAs)

As aminas heterocíclicas (HCAs) são uma classe de compostos químicos que se formam quando a carne ou peixe são preparados sob elevada temperatura, tal como durante a fritura ou cozimento. As aminas não são restritas na carne processada, mas podem ser encontradas em quantidades significativas, principalmente nas salsichas, bacon frito e hambúrgueres de carne. Pôde causar câncer, quando administrado em animais, em altas quantidades.

De um modo geral, essas altas quantidades são muito mais elevadas do que normalmente são, quando encontradas na dieta humana. No entanto, inúmeros estudos observacionais feitos com humanos indicam que comer carne bem passada pode aumentar o risco de câncer no cólon, mama e próstata. Esrte efeito pode ser utilizado com métodos de cozimento suave, como fritar sob baixa temperatura e vapor. Evite comer carne queimada.

Resumo: Alguns produtos de carne processada pode conter aminas heterocíclicas, compostos cancerígenos também encontrados na carne e peixe num ponto muito passado.

Cloreto de Sódio

Produtos de carne processada são geralmente carregados em cloreto de sódio, também conhecido como sal de mesa. Por milhares de anos, o sal é adicionado a produtos alimentares como conservante. No entanto, ele é mais frequentemente usado para melhorar o sabor. Embora a carne processada esteja longe de ser o único alimento rico em sal, ela pode contribuir significativamente para o nível de sal em muitas pessoas. O consumo excessivo de sal pode desempenhar um papel na hipertensão e doenças cardíacas, especialmente naqueles que têm a condição chamada de hipertensão sensível ao sal. Além disso, vários estudos observacionais indicam que as dietas ricas em sal podem aumentar o risco de câncer no estômago.

Esta opinião corrobora que uma dieta rica em sal pode aumentar o crescimento de uma bactéria que causa úlceras no estômago, um fator de risco significativo para o câncer de estômago. Um pouco de sal para os alimentos integrais, com a intenção de melhorar o sabor é bom, mas comer  alimentos processados em grande quantidade pode muito bem causar danos.

Resumo: Produtos de carne processada contêm grandes quantidades de sal, o que pode contribuir para alguns problemas de saúde.

Conclusão

A carne processada contém vários compostos químicos que não estão naturalmente presentes na carne fresca. Muitos desses compostos são prejudiciais para a saúde. Por esta razão, comer um monte de produtos de carne processada ao longo do tempo (anos ou décadas) pode aumentar o risco de doenças crônicas, especialmente o câncer. No entanto, comê-los ocasionalmente, não faz mal. Apenas certifique-se de não deixá-los dominar a sua dieta e evitar comer todos os dias. Por fim, você deve limitar a ingestão de alimentos processados e basear a sua dieta em alimentos inteiros frescos.

6 Métodos para Fazer Jejum Intermitente

O jejum intermitente está muito na moda nos últimos anos. Alega-se causar perda de peso, melhora da saúde metabólica e talvez até mesmo, prolongar o tempo de vida. Não é surpreendente, dada a popularidade dos vários tipos / métodos diferentes de jejum intermitente concebidos. Todos os tipos podem ser eficazes, porém, o jejum  mais adequado vai depender do indivíduo. Aqui estão seis maneiras populares de fazer jejum intermitente.

Orange cooking time on the floor drawing

1. O Método 16/8: Jejum por 16 Horas a cada Dia

O Método 16/8 exige o jejum todos os dias por 14-16 horas, restringindo a sua “janela de alimentação”, diariamente em 8-10 horas. Dentro da janela da alimentação, você pode encaixar duas, três ou mais refeições. Este método também é conhecido como o protocolo Leangains e foi popularizado pelo períto de aptidão Martin Berkhan. Praticar este método de jejum pode realmente ser simples. Por exemplo, não comer nada depois do jantar e pular o café da manhã almoço. Se você terminar a sua última refeição às 20h e não comer nada até ao meio-dia do dia seguinte, então você já estaria tecnicamente em jejum por 16 horas. Recomenda-se que as mulheres faça o jejum por 14-15 horas, pois os jejuns ligeiramente mais curtos, demonstram melhores resultados para a saúde das mulheres. Para as pessoas que ficam com fome de manhã e gostam de comer o café da manhã, então esse método pode ser difícil de se acostumar. No entanto,você pode beber água, café e outras bebidas não calóricas durante o jejum, isso pode ajudar a reduzir os níveis de fome. É muito importante comer alimentos saudáveis ​ durante a sua janela de alimentação. Isso não vai funcionar se você comer besteira ou quantidades excessivas de calorias na hora das refeições. Este guia é escrito principalmente a partir de uma perspectiva da prática de exercício físico, o que também pode envolver o levantamento de peso e suplementação, mas o programa pode ser adaptado para atender qualquer estilo de vida. Contudo, este método 16/8, parece ser a forma mais “natural” de se fazer o jejum intermitente.

Resumo: O método 16/8 envolve jejuns diários de 16 horas para os homens e 14-15 horas para as mulheres. Em cada dia, você pode restringir a sua alimentação a uma “janela de alimentação” de 8-10 horas, onde você pode encaixar 2-3 ou mais refeições.

2. A Dieta 5:2: Jejum 2 vezes por Semana

A dieta 5:2 envolve comer normalmente 5 dias da semana, enquanto a restrição de calorias entre 500-600 seja obedecida em dois dias da semana. Esta dieta também é chamada de dieta rápida e foi popularizada pelo jornalista e médico britânico Michael Mosley. Nos dias do jejum, recomenda-se que as mulheres coma 500 calorias e os homens 600 calorias. Por exemplo, você pode comer normalmente em todos os dias, exceto nas segundas-feiras e quintas-feiras, quando você comer duas pequenas refeições, de basicamente 250 calorias por refeição para mulheres e 300 para os homens. Como os críticos apontam corretamente, não existem estudos que testam a dieta 5:2 em si, mas há uma abundância de estudos sobre os benefícios do jejum intermitente.

Resumo: A dieta 5:2 ou dieta rápida, envolve a ingestão de 500-600 calorias durante dois dias da semana e a alimentação normal nos outros 5 dias.

3. Come-Para-Come: Fazer um Jejum de 24 Horas, Uma ou Duas Vezes por Semana

Este tipo de jejum, Come-Para-Come, envolve um jejum de 24 horas, uma ou duas vezes por semana. Este método foi popularizado pelo períto de aptidão Brad Pilon e tem sido bastante popular nos últimos anos. Com um jejum do jantar de um dia, ao jantar do próximo dia, isso equivale a um jejum de 24 horas. Por exemplo, se você terminar o jantar na segunda-feira às 19h, você não pode comer até o jantar do dia seguinte às 19h, assim é a forma recomendada para fazer um total de 24 horas de jejum. Você também pode jejuam a partir do café da manhã e ficar até o próximo desjejum, como for mais conveniente para você, o resultado final é o mesmo. Água, café e outras bebidas não calóricas são permitidos durante o jejum, mas nenhum alimento sólido. Se você está fazendo isso para perder peso, então é muito importante, que você coma normalmente durante os períodos alimentares, ingerindo r a mesma quantidade de comida como se você não tivesse dentro de um jejum. O problema com este método é que um jejum completo de 24 horas pode ser muito difícil para as pessoas. No entanto, você não precisa seguir esse método mais complexo de início, você pode se adaptar ao jejum de 14-16 horas e, se você sentir-se bem, avançar para os métodos vistos como mais difíceis.

Resumo: Come-Para-Come é um programa de jejum intermitente com um ou dois jejuns de 24 horas por semana.

4. Jejum em Dias Alternados: Um Jejum a cada Dois Dias

O jejum em dias alternados possui várias versões diferentes. Alguns deles admitem uma ingestão de 500 calorias, durante os dias de jejum. Muitos estudos de laboratório mostram que os benefícios para a saúde deste jejum intermitente, toma como base esta versão. Um jejum mais pesado, a ser praticado a cada dois dias, parece um pouco exagerado, então, é recomendável esta versão de jejum para iniciantes. Com esse método, você normalmente vai para a cama com muita fome, o que não é muito agradável e provavelmente, insustentável a longo prazo.

Resumo: O jejum em dias alternados, requer  não comer qualquer coisa ou apenas algumas centenas de calorias.

5. A Dieta do Guerreiro: Jejum Durante o Dia e Uma Grande Refeição de Noite

A dieta do guerreiro foi popularizada pelo períto de aptidão Ori Hofmekler. Trata-se de comer pequenas quantidades de frutas e vegetais crus durante o dia e pela noite comer uma grande refeição. Basicamente, você “jejua” durante todo o dia e “festeja” à noite, dentro de uma janela de alimentação de quatro horas. A dieta do guerreiro foi um das primeiras dietas populares que incluem uma forma de jejum intermitente. Esta dieta também enfatiza as escolhas alimentares, que são bastante semelhantes a uma dieta paleo, onde os alimentos consumidos não podem ser transformados e que sejam comidos mais parecido possível como aparentam na sua natureza bruta.

Resumo: A dieta do guerreiro se resume a comer pequenas quantidades de vegetais e frutas durante o dia e comer uma grande refeição à noite.

6. Ignorar Espontaneamente uma Refeição: Pule Refeições Quando for Conveniente

Você realmente não precisa seguir um plano de jejum intermitente estruturado para colher alguns dos benefícios. Uma opção simples é pular refeições ao longo do tempo, quando você não sentir fome, ou se estiver muito ocupado para cozinhar e sentar para comer. É um mito que as pessoas precisam comer a cada poucas horas ou vão “morrer de fome”, ou perder músculo. O corpo humano é bem preparado para lidar com os longos períodos sem comida e uma ou duas refeições ao longo do tempo, não vão fazer falta. Então, se você não estiver realmente com fome, pule o café da manhã e apenas coma um jantar e um almoço saudável. Ou se você estiver viajando em algum lugar e não pode encontrar algo saudável para comer, faça esse jejum curto. Ignorar 1 ou 2 refeições é basicamente um jejum intermitente espontâneo. Apenas certifique-se de comer alimentos saudáveis nas outras refeições.

Resumo: O jejum espontâneo é a forma mais “natural” de fazer um jejum intermitente e consiste simplesmente em pular 1 ou 2 refeições, quando você não sente fome ou não tem tempo para comer.

Fazer Jejum Intermitente: Conclusão

Há um grande número de pessoas atingindo grandes resultados com alguns desses métodos de jejum intermitente. Dito isto, se você já está feliz com a sua saúde e não vê muito espaço para melhorias, então sinta-se livre para ignorar tudo isso. O jejum intermitente não é para todos. Não é algo que qualquer um precisa fazer, é apenas mais uma ferramenta útil para algumas pessoas. Algumas constatações também acreditam o jejum intermitente pode não ser tão benéfico para as mulheres como para os homens e também pode ser uma má escolha para as pessoas que são propensas a distúrbios alimentares. Se você decidir fazer o jejum, então tenha em mente que você precisa se alimentar de forma saudável. Não é possível se dar ao luxo de comer besteiras durante as janelas de alimentação e esperar a perda de peso, ou uma melhoria da saúde. As calorias ainda contam e a qualidade dos alimentos ainda é, em qualquer caso, absolutamente crucial.

Vegetariano ou Vegan e Fazer uma Dieta de Baixo Teor de Carboidrato

Eliminar os carboidratos não é uma tarefa muito complicada. Basta substituir os açúcares e amidos da sua dieta por vegetais, carne, peixe, ovos, nozes e gorduras. Parece muito simples, a menos que você não coma carne e seja um vegetariano ou um vegan. As dietas de baixo carboidratos (Low Carbs) convencionais, dependem fortemente da carne, o que as tornam inadequadas para os vegetarianos. No entanto, essa dependência da carne não precisa vir ao caso para colocar em vigor uma dieta de baixo carboidrato. Todo mundo pode seguir uma dieta Low Carb, até mesmo os vegetarianos e vegans. Este artigo mostra como fazer.

vegetariano

Por Que uma Dieta de Baixo Carboidrato?

Nos últimos 12 anos, pelo menos 23 estudos têm mostrado que as dietas de baixo carboidrato podem ajudar com a perda de peso (sem contagem de calorias). Uma das principais razões é que estas dietas podem reduzir significativamente o apetite, fazendo você comer menos calorias, sem ter que tentar, conscientemente, a comer menos. As dietas de baixo carboidrato também melhoram a saúde de outras maneiras. As dietas Low Carbs são muito eficazes na redução de gordura, principal, as gorduras prejudiciais da barriga e tendem a reduzir triglicerídios e aumentar o HDL (o “bom” colesterol) de forma significativa. As dietas de baixo carboidrato também tendem a diminuir os níveis de pressão arterial e de açúcar no sangue. Embora as dietas de baixo carboidrato não sejam necessárias para todas as pessoas, elas podem ter benefícios importantes para a saúde das pessoas com obesidade, síndrome metabólica, diabetes tipo 2 e certos distúrbios neurológicos. Uma dieta vegan Low Carb pode ser muito saudável também. Estudos sobre a Eco-Atkins (vegan, 26% das calorias sendo carboidratos) mostram que a dieta baixa em carboidrato pode ser muito mais saudável do que uma dieta de baixa gordura e mais saudável também, do que uma dieta vegetariana de baixo teor de gordura.

Diferentes Tipos de Vegetarianos

Existem vários tipos diferentes de vegetarianos. Nenhum deles comem carne ou peixe. Os dois tipos mais comuns são os lacto-vegetarianos e vegans. Os lacto-vegetarianos (ou simplesmente “vegetarianos”) comem produtos lácteos e ovos, mas os vegans, não comem nenhum alimento de origem animal.

Produtos Lácteos e Ovos são Baixos em Carboidrato

Ovos e produtos lácteos, sem adição de açúcar, são alimentos baixos em carboidratos, mas, ricos em proteínas e gordura. Para os vegetarianos, esses alimentos são perfeitos numa dieta de baixo carboidratos.

  • Ovos: Contêm apenas vestígios de carboidratos. Escolha os ovos de pasto, os ovos enriquecidos com omega-3 ou de galinhas criadas ao ar livre, se você puder.
  • Iogurte e Kefir: Escolha, versões ricas em gordura e sem açúcar. Tente encontrar aqueles com culturas vivas, para um benefício probiótico extra.
  • Manteiga de Vacas Alimentadas com Capim: Manteiga de vacas alimentadas com capim é mais saudável e boa para uma dieta Low Carb.
  • Queijo: Altamente nutritivo, denso e saboroso, pode ser usado em todos os tipos de receitas.


Os alimentos acima também são ricos em B12, vitamina que não é encontrada nos alimentos vegetais. Os vegetarianos podem atingir o nível que necessitam de vitamina B12, por meio destes alimentos, enquanto os vegans precisam complementar de uma outra forma.

Alimentos Vegetais Importantes para uma Dieta Low Carb, Tanto para Vegetariano como Vegan

Há realmente uma enorme variedade de alimentos com baixo teor de carboidratos encontrados em alimentos de origem vegetal. Muitos destes alimentos também são ricos em proteínas e gorduras.

  • Vegetais: Muitos vegetais são pobres em carboidratos. Exemplos são tomate, cebola, couve-flor, berinjela, pimentão, brócolis e couve de Bruxelas.
  • Frutas: Bagas como morangos e mirtilos (blueberry) podem ser consumidos numa dieta Low Carb. Dependendo da quantidade de carboidratos estabelecida pela dieta, outras frutas também podem ser bem aceitas.
  • Frutos gordos: Abacate e azeitonas são incrivelmente saudáveis. Eles são pobres em carboidratos e ricos em gordura.
  • Nozes e sementes: Nozes e sementes são baixos em carboidratos, mas ricos em proteínas e gordura. Dentre as nozes estão as amêndoas, nozes, macadâmia, amendoim e sementes de abóbora.
  • Soja: Alimentos como tofu e tempeh são ricos em proteínas e gorduras, mas pobres em carboidratos. Isso os torna aceitáveis numa dieta vegetariana / vegan de baixo carboidrato.
  • Legumes: Alguns legumes, incluindo o feijão verde, grão de bico e outros.
  • Gorduras Saudáveis: Azeite extra virgem, óleo de abacate e óleo de coco.
  • Sementes de Chia: A maioria dos carboidratos nas sementes de chia são de fibra, por isso quase todas as calorias são utilizáveis com o valor nutricional de proteína e gordura.
  • Chocolate Escuro: Se você escolher o chocolate escuro com alto (70-85% +) teor de cacau, então ele vai ser baixo em carboidratos e ricos em gordura.

Quanto de Carboidrato Você Deveria Comer?

Não existe uma definição fixa, de exatamente o que a dieta “Low Carb” significa em números quantificados de carboidratos na dieta. É importante experimentar e descobrir uma maneira de combinar a ingestão de carboidratos com os seus próprios objetivos e preferências. Dito isto, as orientações abaixo podem dar uma luz:

  • 100-150 gramas por dia: Esta é uma gama de carboidrato de manutenção decente e é bom para as pessoas que se exercitam muito.
  • 50-100 gramas por dia: Isso deve levar a uma perda de peso automática, e é uma gama boa para a manutenção das pessoas que não se exercitam muito.
  • 20-50 gramas por dia: Com uma ingestão de carboidratos desta, tão baixa, você deve perder peso rapidamente sem sentir muita fome. Esta gama de carboidrato deve colocá-lo em cetose.

Os vegetarianos poderiam facilmente cumprir o consumo mais baixo de carboidrato, mas, essa dieta seria impraticável para os vegans. A faixa de 100-150 gramas, seria mais apropriado para os vegans. Recomenda-se usar um rastreador de nutrição durante pelo menos alguns dias / semanas, enquanto você está ajustando a ingestão de carboidratos e assim, certificar-se de obter o suficiente de proteína e gordura.

Modelo de Cardápio para uma Dieta Vegetariana Low Carb

Este é um cardápio demonstrativo, de uma semana, para uma dieta vegetariana (não vegana), com um baixo teor de carboidratos. Você pode usar este modelo como base e adaptar este modelo a suas próprias necessidades e preferências.

Segunda-Feira

  • Café da Manhã: Ovos e vegetais, fritos em óleo de oliva.
  • Almoço: Salada de feijão com óleo de oliva e um punhado de nozes.
  • Janta: Couve-flor gratinada com queijo, brócolis e batata.

Terça-Feira

  • Café da Manhã: Iogurte integral rico em gordura e bagas de frutas.
  • Almoço: Batata assadas, sobra da janta da noite anterior.
  • Janta: Cogumelos portobello grelhados, com legumes na manteiga e abacate.

Quarta-Feira

  • Café da Manhã: Vitamina com leite de coco e blueberries (mirtilos).
  • Almoço: Cenoura e pepino com hummus e um punhado de nozes.
  • Janta: Tempeh frito com castanha de caju e legumes.

Quinta-Feira

  • Café da Manhã: Omelete com legumes frita no azeite.
  • Almoço: Sobras do jantar da noite anterior.
  • Janta: Chilli Beans com nata, queijo e salsa.

Sexta-Feira

  • Café da Manhã: Iogurte rico em gorduras e bagas de frutas.
  • Almoço: Salada de quinoa com um pouco de azeite e um punhado de nozes.
  • Janta: Salada de queijo feta com sementes de abóbora e nozes de macadâmia, temperadas com azeite de oliva.

Sábado

  • Café da Manhã: Ovos fritados com feijões cozidos e abacate.
  • Almoço: Cenoura e pepino varas com hummus mergulho, e um punhado de nozes.
  • Janta: moussaka berinjela.

Domingo

  • Café da Manhã: Strawberry smoothie com iogurte gordo e nozes.
  • Almoço: Moussaka sobras da noite anterior.
  • Janta: Aspargo, espinafre e feta quiche (com ou sem ovos).

Além desta receita, há uma enorme quantidade de receitas disponíveis gratuitamente na internet. Tente digitar “low carb receitas vegetarianas” ou “low carb receitas vegan” no Google. Há também livros de receitas dedicadas apenas a dietas de baixo teor de carboidrato, baseadas em vegetais.

Conclusão

Há muitos alimentos vegetais deliciosos baixos em carboidratos, mas ricos em gordura e proteína. Obviamente, você não precisa ser um comedor de carne para colher os benefícios de uma alimentação baixa em carboidratos.

Como Ganhar Peso Rápido e Seguro

Cerca de dois terços das pessoas nos EUA estão com sobrepeso ou obesos. No entanto, também existem muitas pessoas com o problema oposto, magras demais. Esta é uma preocupação, porque estar abaixo do peso pode ser tão ruim para a sua saúde como sendo obeso. Além disso, muitas pessoas que não estão clinicamente abaixo do peso, ainda querem ganhar algum músculo. Se você está clinicamente abaixo do peso ou simplesmente está lutando para ganhar algum peso muscular, os princípios são os mesmos. Este artigo descreve uma estratégia simples para ganhar peso rapidamente, de maneira saudável.

Woman on scale

O Que Realmente Significa Estar Abaixo do Peso?

A definição de estar abaixo do peso é baseada no índice de massa corporal (IMC) abaixo de 18,5. Este valor é estimado num valor mais baixo do que a massa do corpo, necessário para manter a saúde boa. Por outro lado, mais de 25 é considerado excesso de peso e mais de 30 é considerada obesa. Use esta calculadora para ver onde você se encaixa na escala de IMC. No entanto, tenha em mente que existem muitos problemas com a escala de IMC, que só olha para peso e altura. A escala não leva em conta a massa muscular. Algumas pessoas são naturalmente muito magras, mesmo assim, saudáveis. Estar abaixo do peso, de acordo com esta escala, não significa necessariamente que você tenha um problema de saúde e é de cerca de 2-3 vezes mais comum entre as meninas e mulheres. Nos EUA, 1% dos homens e 2,4% das mulheres de 20 anos e mais velhos estão abaixo do peso.

Resumo: estar abaixo do peso é definido pelo índice de massa corporal (IMC) abaixo de 18,5. É muito mais comum em mulheres e meninas.

Quais São as Consequências de Estar Abaixo do Peso?

A obesidade é atualmente um dos maiores problemas de saúde do mundo. No entanto, estar abaixo do peso pode ser tão ruim para sua saúde como ser obeso. De acordo com um estudo, o baixo peso está associado com 140% maior do risco de morte prematura nos homens e 100% nas mulheres. Neste estudo, a obesidade estava “apenas” associada a um 50% maior do risco de morte prematura, indicando que estar abaixo do peso pode ser ainda pior para a sua saúde. Um outro estudo encontrou um aumento do risco de morte precoce nos homens com baixo peso, mas não encontrou nas mulheres. Isso indica que estar abaixo do peso pode ser pior para os homens. Estar abaixo do peso também pode prejudicar a função imunológica, aumentar o risco de infecções, levar à osteoporose e fraturas, além de causar problemas de fertilidade. As pessoas que estão abaixo do peso também são muito mais propensas a obter sarcopenia (perda de massa muscular relacionada à idade) e podem correr maior risco de demência.

Resumo: Estar abaixo do peso pode ser tão ruim como ser obeso, se não for mais. As pessoas que estão abaixo do peso correm o risco de osteoporose, infecções, problemas de fertilidade e morte precoce.

Muitos Fatores podem deixar as Pessoas Abaixo do Peso

Há várias condições médicas que podem causar a perda de peso saudável. Aqui estão algumas delas:

  • Transtornos alimentares: Isso inclui a anorexia nervosa, um transtorno mental grave.
  • Problemas de tireóide: Tendo uma tireóide hiperativa (hipertireoidismo) pode aumentar o metabolismo e causar a perda de peso saudável.
  • Doença celíaca: A forma mais grave da intolerância ao glúten. A maioria das pessoas com doença celíaca não sabem que têm a doença.
  • Diabetes:Tendo a diabetes não controlada (principalmente do tipo 1) pode conduzir a perda de peso grave.
  • Câncer:Os tumores cancerosos muitas vezes queimar em grandes quantidades de calorias e fazer com que alguém perca muito peso.
  • Infecção:Certas infecções podem causar severa diminuição do peso. Isso inclui parasitas, tuberculose e HIV / AIDS.

Se você está abaixo do peso, então você deveria consultar um médico, a fim de descartar qualquer condição clínica séria. Isto é particularmente importante, ainda mais se você recentemente começou a perder uma grande quantidade de peso.

Resumo: Há várias condições médicas que podem causar a perda de peso saudável. Se você está abaixo do peso, consulte um médico para descartar qualquer problema grave de saúde.

Como Ganhar Peso de Maneira Saudável

Se você quiser ganhar peso, então é muito importante que você faça isso direito. Enfiar o pé na jaca e consumir refrigerante e salgadinhos podem levar ao ganho de peso, mas pode destruir a sua saúde ao mesmo tempo. Se você está abaixo do peso, então você quer ganhar uma quantidade equilibrada de massa muscular e gordura subcutânea e não um monte de gordura insalúbre na barriga.

Há uma abundância de pessoas com peso normal, que desenvolvem a diabetes tipo 2, doenças cardíacas e outros problemas de saúde, muitas vezes associados com a obesidade. Portanto, é absolutamente essencial, que você ainda precise comer alimentos reais e viver um estilo de vida saudável. Agora vamos olhar para várias maneiras eficazes para ganhar peso rapidamente, sem arruinar sua saúde.

Resumo: É muito importante comer alimentos saudáveis, mesmo se você esteja tentando ganhar peso.

Coma Mais Caloria do que o Seu Corpo Consegue Queimar

A coisa mais importante que você pode fazer para ganhar peso é comer mais calorias do que seu corpo precisa. Um excesso calórico (calorias dentro > calorias fora) é necessário, sem isso, você não vai ganhar peso. Você pode determinar suas necessidades de calorias uma calculadora de calorias. Se você quiser ganhar peso lenta e progressivamente, busque chegar à 300-500 calorias a mais do que você queima por dia. Se você quiser ganhar peso rapidamente, busque algo entorno de 700-1000 calorias acima do seu nível de manutenção.

Tenha em mente que calculadoras de calorias fornecem apenas estimativas. Suas necessidades podem variar de acordo com as várias centenas de calorias por dia, mais ou menos. Você não precisa contar calorias para o resto de sua vida, mas isso ajuda a fazê-lo durante os primeiros dias / semanas para ter uma idéia de quantas calorias você está comendo.

Resumo: Você precisa comer mais calorias do que seu corpo pode queimar, a fim de ganhar peso. Busque a marca de 300-500 calorias por dia acima de seu nível de manutenção, ou a marca de 700-1000 calorias, se você quiser ganhar peso rapidamente.

Coma Muita Proteína

O nutriente mais importante para o ganho de peso saudável é a proteína. O músculo é composto de proteína e sem proteína, as calorias extras acabam como gordura corporal. Estudos mostram que durante os períodos de superalimentação, uma dieta rica em proteínas faz com que muitas das calorias extras se transformem em músculo. No entanto, tenha em mente que a proteína é uma faca de dois gumes. É também altamente satisfatória, de modo que possa reduzir significativamente a fome e o seu apetite, isso pode tornar mais difícil o consumo de calorias a mais. Se você está tentando ganhar peso, o objetivo é de 1,5-2,2 gramas de proteína por quilo corporal. Você pode até mesmo ir além, se sua ingestão de calorias for muito alta. Os alimentos ricos em proteínas incluem carnes, peixes, ovos, produtos lácteos, legumes, nozes e outros. Os suplementos de proteína, como whey protein também pode ser útil se você buscar a quantidade de proteína adequada na sua dieta.

Resumo: A proteína forma blocos da construção de seus músculos. Comer proteína suficiente é necessário para ganhar massa muscular, ao invés de gordura.

Coma Bastante Carboidrato e Gordura e Coma pelo menos 3 Vezes por Dia

Muitas pessoas tentam restringir os carboidratos ou gordura quando estão tentando perder peso. Se o seu objetivo é ganhar peso, esta é uma má idéia, porque vai tornar mais difícil o aumento do consumo de calorias. Se o ganho de peso é uma prioridade para você, comer em abundância os alimentos com alto teor de carboidrato e gordura é melhor, além das proteínas. Também é uma má idéia fazer o jejum intermitente. Isso é útil para perda de peso e melhoria da saúde, mas pode tornar muito mais difícil o ganho de peso. Certifique-se de comer pelo menos 3 refeições por dia, e tentar adicionar lanches altamente energéticos sempre que possível.
Resumo: A fim de ganhar peso, coma pelo menos 3 refeições por dia e certifique-se de comer muita gordura, carboidratos e proteínas.

Coma Bastante Alimentos Energéticos e Use Molho, Temperos e Condimentos

Mais uma vez, é muito importante comer, alimentos integrais. O problema é que esses alimentos tendem a ser mais encorpados do que os alimentos processados e rápidos, o que dificulta o aumento do consumo de calorias. No período de superalimentação, abuse das especiarias, molhos e condimentos, isso pode ajudar. A sua mais saborosa comida é a mais fácil de se comer com plenitude. Além disso, tente enfatizar alimentos altamente energéticos, o máximo possível. Estes são os alimentos que contêm mais calorias em relação ao seu peso. Aqui estão alguns alimentos altamente energéticos que são perfeitos para ganhar peso:

  • Nozes: amêndoas, castanha, macadâmia, amendoim, etc.
  • Fruta Seca: Ameixa, tâmara, passas and others.
  • Latícinio de Alta Gordura: Leite integral, iogurte, queijo, cremes.
  • Óleos e Gorduras: Azeite extra virgem e óleo de abacate.
  • Grãos: Grãos integrais como aveia e arroz marrom.
  • Carne: Frango, carne, porco, cordeiro, etc. Escolha os pedaços gordos.
  • Tubérculos: Batata, batata doce e inhame.
  • Chocolate negro, abacate, manteiga de amendoim, leite de coco, granola.

Muitos destes alimentos são encorpados e às vezes, você vai precisar de disciplina para continuar comendo para atingir as calorias necessárias, mesmo se você se sentir cheio. Comer uma tonelada de produtos hortícolas não é uma boa ideia, se a ganhar peso for uma prioridad. Os vegetais nesse caso deixam menos espaço para os alimentos com alta densidade energética. Comer a fruta inteira é bom, mas tente optar pela fruta que não requer muita mastigação, como a banana.

Resumo: Você pode adicionar molhos, temperos e condimentos nos seus alimentos, a fim de tornar mais fácil o aumento de calorias e o sabor da sua comida. Busque os alimentos altamente energéticos, o quanto for possível.

Malhe com uma carga de Peso Maior e Melhore a sua Força

A fim de se certificar de que o excesso de calorias vão para os seus músculos, ao invés de irem para as células de gordura, então é absolutamente crucial levantar pesos. Ir para a academia 2-4 vezes por semana. Levante pesado e tente aumentar os pesos e a carga de exercícios, ao longo do tempo. Se você está completamente fora de forma ou é novo na musculação, então considere as dicas de um personal trainer qualificado para maiores orientações. Você também pode consultar um médico, se tiver problemas esqueléticos ou qualquer outro tipo de problema. O melhor a se fazer é ter calma com o cardio. Concentre-se na maior parte do tempo, na relação com os pesos. Fazer exercício cardio é bom para melhorar o condicionamento físico e bem-estar, mas não faça tanto, pois você vai acabar queimando todas as calorias extras que você está comendo.

Resumo: É muito importante levantar pesos pesados e melhorar a sua força. Isso ajuda a ganhar massa muscular, ao invés de gordura.

8 Dicas para Ganhar Peso  

Combinar um elevado teor calórico com musculação de força com peso, são os dois fatores mais importantes para ganhar peso. Dito isto, aqui estão mais algumas dicas para ganhar peso ainda mais rápido:

  1. Não beba água antes das refeições. Isso pode encher o estômago e tornar mais difícil o aumento das calorias.
  2. Comer mais vezes. Espremer uma refeição ou lanche adicional sempre que puder, como antes de dormir.
  3. Beber leite. Beber leite integral para saciar a sede é uma maneira simples de conseguir mais proteínas de alta qualidade e calorias.
  4. Tente shakes para ganho de peso. Se você está realmente buscando o aumento de peso, então você pode tentar os shakes, que são muito ricos em proteínas, carboidratos e calorias.
  5. Use placas maiores. Definitivamente usar platos maiores se você está tentando aumentar o número de calorias, com pratos menores automaticamente as pessoas comem menos.
  6. Adicione creme no seu café. Esta é uma maneira simples de aumentar as calorias.
  7. Tome creatina. A construção muscular pelo suplemento creatina pode ajudar a ganhar quilos no peso muscular.
  8. Qualidade do sono. Sono adequado é muito importante para o crescimento muscular.

Resumo: Há várias outras coisas que você pode fazer para ganhar peso ainda mais rápido. Dentre essas maneiras se incluem o consumo de leite, uso de shakes, creme no café e maiores refeições.

O Ganho de Peso pode ser Difícil e a Consistência é a Chave para o Sucesso

Realmente pode ser muito difícil para algumas pessoas ganhar peso. Isso porque cada corpo tem um certo ponto de ajuste de peso, onde ele se sente confortável. Se você tentar ajustar o seu peso (perder peso) ou aumentar (ganhar peso), seu corpo resiste a mudanças aos níveis de fome e taxa metabólica. Quando você comer mais calorias e ganha peso, você espera que o seu corpo responda e impulsione o seu metabolismo.

Isto é amplamente mediado pelo cérebro, bem como os hormônios que regulam o peso, como a leptina. Portanto, você deve esperar até um certo nível de dificuldade. Em alguns casos, você pode literalmente precisar se esforçar a comer, apesar de sensação de estar cheio. Por fim, mudar o seu peso é uma maratona, é não um 100m rasos. Isso pode levar um longo tempo e você precisa ser consistente, se realmente quiser ter sucesso à longo prazo.

O Que é o Jejum Intermitente?

Um fenômeno chamado de jejum intermitente é atualmente uma das tendências mundiais de saúde e fitness mais populares. Trata-se de ciclos alternados de jejum e alimentação. Muitos estudos mostram que isso pode causar perda de peso, melhorar a saúde metabólica, proteger contra doenças e talvez ajudá-lo a viver mais tempo. Este artigo explica o que o jejum intermitente é e com o que você deve se preocupar.

jejum

O Que é Jejum Intermitente?

O jejum intermitente é um padrão alimentar onde você alterna os períodos de alimentação e jejum. A dieta que rege o jejum intermitente não diz nada sobre quais os alimentos você deve comer, mas sim, quando você deve comê-los. Existem vários métodos diferentes de jejum intermitente, os quais dividem o dia ou semana, em períodos de alimentação e jejum. A maioria das pessoas já “jejuam” a cada dia, enquanto dormem. O jejum intermitente pode ser tão simples como o prolongamento do jejum por um pouco mais de tempo. Você pode fazer o jejum intermitente de forma a aproveitar as horas de sono e pulando o café da manhã e apenas fazer a sua primeira refeição ao meio-dia e a última refeição às 20h. Então você está tecnicamente em jejum durante 16 horas todos os dias, restringindo a sua alimentação numa janela de 8 horas. Esta é a forma mais popular do jejum intermitente, conhecido como método 16/8. Apesar do que você pode pensar,o jejum intermitente é realmente bastante fácil de fazer. Muitas pessoas relatam sentir-se melhor e ter mais energia durante o jejum. A fome geralmente não é tão grande para se transformar em um problema, embora possa ser um desafio no início, enquanto o seu corpo ainda está se acostumando aos longos períodos de tempo sem comida. Nenhum alimento é permitido durante o período do jejum, mas você pode beber água, café, chá e outras bebidas não calóricas. Algumas formas de jejum intermitente permitem pequenas quantidades de alimentos de baixa caloria durante o período de jejum. Tomar suplementos geralmente é permitido durante o jejum, se entanto, não houver calorias neles.

Resumo: Jejum intermitente é um padrão de alimentação onde você alterna os períodos de alimentação e de jejum. É uma tendência da saúde e mundo fitness, que vem se popularizando.

Por Que o Jejum?

Os seres humanos têm feito o jejum durante milhares de anos. Na verdade, isso foi feito por necessidade, quando simplesmente não havia disponível qualquer tipo de alimento. Em outros casos, era feito por motivos religiosos. Várias religiões, incluindo o Islã, o Cristianismo e o Budismo, que pregavam formas de jejum. Os seres humanos e outros animais muitas vezes instintivamente, também, de maneira  rápidas usavam o jejum quando ficavam doentes. Claramente, não há nada de errado com o jejum e os nossos corpos estão muito bem preparados para lidar com longos períodos sem comer. Todos os tipos de processos no corpo mudam quando nós não comemos por um tempo, a fim de permitir que os nossos corpos aguentem o período de fome. Tem a ver com os hormônios, genes e processos importantes de reparação celular. Quando jejuamos, reduzimos significativamente os níveis de insulina e açúcar no sangue, bem como há, um aumento drástico do hormônio de crescimento humano. Muitas pessoas fazem o jejum intermitente, a fim de perder peso, pois é uma maneira muito simples e eficaz para restringir calorias e queimar gordura. Outras pessoas buscam seguir o jejum intermitente para se beneficiar com uma melhor saúde metabólica, pois o jejum intermitente impulsiona as defesas contra os vários fatores de risco e indicadores de problemas da saúde. Há também algumas evidências de que o jejum intermitente pode ajudá-lo a viver por mais tempo. Os estudos realizados com roedores mostram, que o jejum pode estender o tempo de vida, de forma tão eficaz, como os efeitos de uma dieta rígida de restrição calórica. Algumas pesquisas também sugerem, que o jejum intermitente possa ajudar a proteger contra as doenças cardíacas, diabetes tipo 2, câncer, doença de Alzheimer e outros. Outras pessoas simplesmente gostam da conveniência de jejum intermitente. É um “truque da vida” eficaz, que torna a sua vida mais simples e ao mesmo tempo melhora a sua saúde. As poucas refeições que você precisa planejar, é o pulo do gato que faz a sua vida mais simples. Não ter que comer 3-4 vezes por dia, facilita o dia a dia de preparação da refeição e as benditas louças sujas, o que poupa bastante tempo.

Resumo: Os seres humanos estão bem adaptados ao jejum, quando é necessário ficar sem comer. Pesquisas recentes mostram que o jejum possui benefícios para a perda de peso, saúde metabólica, prevenção de doenças e pode até mesmo ajudá-lo a viver por mais tempo.

Tipos de Jejum Intermitente

O jejum intermitente entrou na moda nos últimos anos e vários métodos têm surgido. Aqui estão alguns dos mais populares:

  • O Método de jejum 16/8: durante 16 horas por dia, por exemplo, comer apenas entre o meio-dia e às 20h.
  • Coma-Pare-Coma: Uma ou duas vezes por semana, não coma nada do jantar de um dia, até o jantar do dia seguinte (um jejum de 24 horas).
  • A Dieta de jejum 5:2: Durante dois dias da semana, coma apenas cerca de 500-600 calorias.

Além dessas, existem muitas outras variações de jejum. O método 16/8 (popularizado por Martin Berkhan de LeanGains), parece ser a mais simples e mais fácil de manter. Comer desta forma é praticamente natural. Muitas pessoas não sentem muita fome na parte da manhã e não se sentem afetadas se fizerem a sua primeira alimentação por volta das 13h. Se você come a última refeição por volta das 18-21h, instintivamente o jejum de 16-19 horas é cumprido todos os dias.

Resumo: Existem muitos métodos diferentes de jejum intermitente. Os mais populares são o método 16/8, o coma-pare-coma e a dieta 5:2.

Conclusão

Ao menos que você se prenda a alimentos saudáveis, restringir sua janela de alimentação e praticar o jejum de tempo em tempo pode trazer uma série de benefícios  impressionantes para a saúde. É uma maneira eficaz para a perda gordura e melhora da saúde metabólica, além de simplificar a vida.

Fruta Seca: Bom ou Ruim?

A informação sobre frutos secos é muito conflitantes. Alguns dizem que é, um lanche saudável e nutritivo, enquanto outros afirmam que não é melhor do que os doces. Este é um artigo detalhado sobre frutas secas e como ele pode afetar sua saúde.

fruta-seca

O Que é Fruta Seca?

As frutas secas não têm quase água, pois é utilizado métodos de secagem. O fruto diminui durante este processo, chegando a uma fruta pequena, seca com alta densidade energética. As passas são o tipo mais comum, seguido por tâmaras, ameixas, figos e damascos. Outras variedades de frutos secos também estão disponíveis, por vezes, na forma cristalizada (revestidos com açúcar). Nesta forma encontra-se a manga, abacaxi, cranberries, bananas e maçãs. As frutas secas podem ser preservadas por muito mais tempo do que as frutas frescas e pode ser um lanche prático, sobretudo em viagens longas.

Resumo: Frutas secas tem a água removida. As variedades mais comuns são passas, tâmaras, ameixas, figos e damascos.

Fruta Seca é Carregado com Micronutriente, Fibra e Antioxidantes

As frutas secas são altamente nutritivas. Uma peça de fruta seca contém aproximadamente a mesma quantidade de nutrientes quea fruta fresca. Em peso, as frutas secas contém até 3,5 vezes as fibras, vitaminas e minerais das frutas frescas. Portanto, uma porção pode proporcionar uma grande percentagem da ingestão diária recomendada de vitaminas e diversos minerais, tais como o ácido fólico. No entanto, existem algumas exceções. Por exemplo, o teor de vitamina C é significativamente reduzido quando o fruto é seco. Frutos secos geralmente contém muita fibra e é uma grande fonte de antioxidantes, especialmente os polifenóis, que estão associados à benefícios saudáveis, tais como a melhora da circulação sanguínea e da saúde digestiva, diminuição do dano oxidativo e redução do risco de muitas doenças.

Resumo: Frutos secos são ricos em fibras, vitaminas e minerais. Fora os antioxidantes fenólicos, que possuem inúmeros benefícios à saúde.

Efeitos Saudáveis da Fruta Seca

Vários estudos mostram que as pessoas adeptas a comer as frutas secas tendem a pesar menos e ingerir mais nutrientes, em comparação com indivíduos que não comem as frutas secas. No entanto, esses estudos observacionais não podem provar que as frutas secas causaram tais melhorias. As frutas secas também são uma boa fonte com muitos compostos vegetais, incluindo antioxidantes poderosos.

Resumo: Comer frutas secas está associado a um aumento da ingestão de nutrientes e redução do risco de obesidade.

Passas Podem Reduzir o Risco de Certas Doenças

As passas são as uvas secas. As passas são carregadas com fibras, potássio e vários compostos vegetais que promovem a saúde. Elas têm um baixo valor de índice glicêmico e um baixo índice de insulina. Isto significa, que as passas não devem causar grandes picos nos níveis de açúcar no sangue ou insulina, após as refeições. Estudos mostram que comer passas pode:

  • Diminuir a pressão arterial.
  • Melhorar o controle de açúcar no sangue.
  • Diminuir os indicadores de inflamação e colesterol no sangue.
  • Atinge um bom nível de saciedade.

Todos estes fatores devem contribuir para a redução do risco de desenvolvimento da diabetes tipo 2 e de doenças cardíacas.

Resumo: Passas são ricas em fibras, potássio e outros compostos vegetais. As passas podem melhorar o controle de açúcar no sangue, pressão arterial e de colesterol no sangue, bem como a diminuir a inflamação.

Ameixas Secas são Laxantes Naturais e Podem Ajudar a Combater Doenças

As ameixas secas são altamente nutritivas, sendo rico em fibras, potássio, beta-caroteno (vitamina A) e vitamina K. As ameixas são conhecidas por seus efeitos laxantes naturais. Isto é causado pelo seu elevado teor de fibra e um álcool de açúcar chamado sorbitol, que é encontrado naturalmente em algumas frutas. Comer ameixas mostra uma melhora na frequência de idas aos banheiro e consistência das fezes. As ameixas secas são consideradas ainda mais eficazes em aliviar a constipação do que remédios vendidos na farmácia. Como são uma grande fonte de antioxidantes, as ameixas secas podem inibir a oxidação do colesterol LDL e ajudar a prevenir doenças cardíacas e câncer. Ameixas secas também são ricas em um mineral chamado boro, o que pode ajudar a combater a osteoporose. Além disso, as ameixas secas são muito saborosas e não devem causar picos rápidos nos níveis de açúcar no sangue.

Resumo: Ameixas secas têm um efeito laxante natural por causa da sua fibra e teor de sorbitol. Elas também podem ajudar a combater os danos oxidativos no corpo.

Tâmaras podem ter Benefícios na Gravidez e Ajudar a Prevenir  de Várias Doenças

As tâmaras são incrivelmente doces. Elas são uma grande fonte de fibra, potássio, ferro e vários compostos vegetais. De todos os frutos secos, as tâmaras são uma das fontes mais ricas de antioxidantes, contribuindo para a redução do dano oxidativo no corpo. As tâmaras têm um baixo índice glicêmico, o que significa que comê-las não deve causar grandes picos nos níveis de açúcar no sangue. O consumo também tem sido estudado em relação às mulheres grávidas, que constatou, que ao comer tâmaras regularmente durante as últimas semanas da gravidez, podem ajudar a facilitar a dilatação do colo do útero, bem como diminuir a necessidade do parto induzido. Um estudo com mulheres que comeram tâmaras durante as últimas semanas de gravidez mostrou, que apenas 4% das mulheres precisou de um trabalho de parto necessária induzido, em comparação com 21% daqueles que não consumiram tâmaras. As tâmaras também mostram resultados promissores nos estudos com animais e em tubos de ensaio, como um remédio para infertilidade dos homens, mas, outros estudos com humanos precisam ser feitos para maiores detalhes.

Resumo: As tâmaras são ricas em antioxidantes, potássio, ferro e fibras. As tâmaras podem ajudar a reduzir o dano oxidativo, moderar o açúcar no sangue e ajudar com o trabalho de parto das mulheres grávidas.

Fruta Seca é Rica em Açúcar Natural e Calorias

As frutas secas tendem a conter quantidades significativas de açúcares naturais. Uma vez que a água foi removida a concentração de açúcar e calorias é maior. Por esta razão, os frutos secos são ricos em glicose e frutose. Abaixo estão alguns exemplos do teor de açúcar natural das frutas secas:

  • Passas: 59%.
  • Tâmara: 64–66%.
  • Ameixa: 38%.
  • Damasco: 53%.
  • Figo: 48%.

De 22 à 51% deste teor de açúcar é frutose. Comer uma grande quantidade de frutose pode ter efeitos negativos para a saúde, como o risco do ganho de peso, diabetes tipo 2 e doenças cardíacas. Uma pequena porção contém 84 calorias, quase exclusivamente a partir do açúcar. Porque frutas secas são doces, densas e com energia, além de ser fácil de comer grandes quantidades de uma só vez, o que pode resultar em excesso de açúcar e ingestão de calorias.

Resumo: Frutos(as) secos(as) são relativamente ricas em calorias e açúcar. As frutas secas comuns contêm de 38 à 66% de açúcar e comer muito, pode contribuir para o ganho de peso e vários problemas de saúde.

Evite as Frutas Secas com Adição de Açúcar  

Para fazer algumas frutas secas ainda mais doces e atraentes, existem produtos revestidos com adição de açúcar ou xarope, antes de serem secos. As frutas secas com adição de açúcar também são condizentes com o fruto “cristalizado”. A adição de açúcar tem sido repetidamente demonstrado, os efeitos nocivos para a saúde, aumentando o risco de obesidade, doenças cardíacas e até câncer. Para evitar os frutos secos que contém açúcar, é muito importante ler os ingredientes e a informação nutricional encontrada no pacote.

Resumo: Alguns produtos da fruta seca podem ter sido revestidos com açúcar ou xarope antes de serem secos. Sempre leia o pacote na compra de frutas secas e evite as marcas que contenham açúcar.

Frutos secos podem também conter sulfitos contaminados com fungos e toxinas

Alguns produtores adicionam conservantes chamados sulfitos nas frutas secas. Isso faz com que o olhar para as frutas secas fique mais atraente, porque preserva a fruta e previne a descoloração. Isso vale especialmente para as frutas coloridas, como damasco e passas. Algumas pessoas podem ser sensíveis aos sulfitos e podem passar por dores de estômago, erupções cutâneas e ataques de asma após ingerí-los. Evite os sulfitos, escolha as frutas secas com as cores marrom ou cinza, ao invés de cores vivas. As frutas secas armazenadas são manuseadas de forma inadequada e podem ser contaminadas com fungos, aflatoxinas e outros compostos tóxicos.

Resumo: Os sulfitos são adicionados a alguns frutas secas para preservar a cor, o que pode causar efeitos indesejáveis em indivíduos sensíveis. As frutas secas se forem armazenadas e manuseadas de forma inadequada, também podem estar contaminados com fungos e toxinas.

Conclusão

Mesmo com muitos outros alimentos, as frutas secas tem tanto aspectos bons e ruins. Frutas secas pode aumentar a sua fibra e nutrientes ingestão e fornecer seu corpo com grandes quantidades de antioxidantes. No entanto, elas também são ricas em açúcar e calorias, podendo causar problemas quando consumido em excesso. Por esta razão, os frutos secos devem ser ingeridos em pequenas quantidades, de preferência com

6 Maneiras Para Perder Gordura Abdominal (No. 2 e 3 são as melhores)

O excesso de peso não é necessariamente nocivo. Existem muitas pessoas com excesso de peso que estão em excelente saúde. Por outro lado, muitas pessoas com peso normal com problemas metabólicos, associados com a obesidade. Isso porque a gordura sob a pele não é um grande problema (pelo menos não do ponto de vista da saúde). É a gordura na cavidade abdominal, a gordura da barriga, que causam as maiores complicações. Se você tem excesso de gordura na cintura, mesmo se você não for muito pesado, então você deve tomar algumas medidas para se livrar disso.

A gordura da barriga é geralmente estimada pela circunferência da cintura. Isso pode ser feito facilmente em casa com uma fita métrica. Qualquer medida acima de 102 cm em homens e 88 cm nas mulheres, é reconhecido como  obesidade abdominal. Existem algumas estratégias comprovadas para perder a gordura na região da barriga, mais do que em outras áreas do corpo. Abaixo estão seis maneiras baseadas em evidências para perder gordura da barriga.

perder-barriga-abdominal

1. Não Coma Açúcar… e Evite as Bebidas Adoçadas

A adição de açúcar é extremamente insalúbre. Estudos mostram que o açúcar tem efeitos nocivos para a saúde, exclusivamente a saúde  metabólica. O açúcar é metade glicose, metade frutose, que só pode ser metabolizada pelo fígado. Quando você muito açúcar refinado, o fígado fica sobrecarregado de frutose e é forçado a transformar tudo em gordura. São muitos os estudos que provam, que o excesso de açúcar, principalmente devido às grandes quantidades de frutose, podem levar a um acúmulo de gordura na barriga. Alguns acreditam que este seja o principal mecanismo nocivo do açúcar na saúde … que aumenta a gordura na barriga e no fígado, o que leva à resistência à insulina e a uma série de problemas metabólicos.

O açúcar líquido é ainda pior neste quesito. As calorias líquidas não são “registradas” pelo cérebro da mesma forma como calorias as sólidas, então, quando você consome bebidas adoçadas com açúcar, você acaba ingerindo mais calorias totais. Estudos mostram, que as bebidas adoçadas com açúcar estão ligadas à um risco de 60% a mais do risco de obesidade nas crianças. Tome a decisão de minimizar a quantidade de açúcar em sua dieta  e considere eliminar completamente as bebidas açucaradas. Entre as bebidas adoçadas estão os sucos de frutas, várias bebidas esportivas, café e chá c adoçados etc. Tenha em mente que nada disto se aplica a fruta integrais, que são extremamente saudáveis possuem muita fibra, o que atenua os efeitos negativos da frutose. A quantidade de frutose que você bota pra dentro a partir da fruta é insignificante, em comparação com o que se obtém a partir de uma dieta rica em açúcar refinado. Se você quer cortar o açúcar refinado, então você deve começar a ler os rótulos. Mesmo os alimentos comercializados como alimentos saudáveis, ​​podem conter grandes quantidades de açúcar.

Resumo: O excesso do consumo de açúcar pode ser o principal motor de acúmulo de gordura na barriga, especialmente as bebidas açucaradas, como refrigerantes e sucos de frutas.

2. Comer Proteína Pode ser uma Boa Estratégia para Perder Gordura Abdominal à Longo Prazo

A proteína é o macronutriente mais importante, quando se trata da perder peso. Foi mostrado, que para reduzir os desejos em 60% e aumentar o metabolismo de 80 para 100 calorias por dia, a proteína ajuda. Se a perda de peso é seu objetivo, então, considere colocar proteínas na dieta, é talvez a única mudança eficaz que você pode fazer. Não só ela pode ajudar você a perder, como também pode ajudar a evitar o retorno do peso perdido. Algumas evidências consideram a proteína eficaz contra a gordura da barriga. Um estudo mostrou que a quantidade e qualidade da proteína consumida foi inversamente relacionada com a gordura na barriga. Isto é, as pessoas que comiam mais e melhor proteína tinha muito menos gordura na barriga. Um outro estudo mostrou que na Dinamarca, especialmente a proteína animal, foi associada à uma redução significativa do ganho de gordura na barriga, ao longo de um período de 5 anos. Este estudo também mostrou que os carboidratos refinados e óleos vegetais foram ligados ao aumento da quantidade de gordura na barriga, frutas e legumes também tem uma menor participação no acúmulo de gordura na barriga.

Muitos estudos mostram que a proteína para ser eficaz deve estar entre 25-30% das calorias. Isso é o que você deve considerar. Então … faça um esforço para aumentar a sua ingestão de ovos não transformados, peixe, frutos do mar, carnes, aves e produtos lácteos. Estas são as melhores fontes de proteína de uma dieta. Se você luta com o consumo de proteína na dieta, busque um suplemento de proteína de qualidade (como a proteína do soro de leite “whey protein”) é uma maneira saudável e conveniente para aumentar a sua ingestão total. Dica extra: Considere cozinhar seus alimentos no óleo de coco … alguns estudos demonstram que 30 mL (cerca de 2 colheres de sopa) de óleo de coco por dia reduz ligeiramente a gordura da barriga.

Resumo: Comer bastante proteína é uma maneira muito eficaz de perder peso. Alguns estudos sugerem que a proteína seja particularmente eficaz contra o acúmulo de gordura na barriga.

3. Corte o Carboidrato da Dieta

A restrição de carboidrato é uma maneira muito eficaz para perder gordura. Esta opinião é corroborada por numerosos estudos … quando as pessoas cortam o consumo de carboidratos, o apetite diminui e vem a perda de peso. Mais de 20 ensaios randomizados controlados mostram que as dietas de baixo carboidrato conduzem a 2-3 vezes mais perda de peso do que as dietas de baixa gordura, mesmo quando a dieta de baixo carboidrato considera a permissão de comer o quanto quiserem e a dieta de baixa gordura restrinja o consumo calórico. As dietas de baixo carboidrato também levam à reduções rápidas do peso corporal de água, o que dá às pessoas, resultados imediatos … uma grande diferença visto em poucos dias. Há também estudos que comparam a dieta de baixo carboidrato e a dieta de baixa gordura, mostrando que a dieta de baixo carboidrato seca a gordura na barriga e ao redor dos órgãos abdominais e do fígado.

O que significa, que uma proporção particularmente elevada da gordura perdida numa dieta de baixo carboidrato ajuda com a perda da gordura abdominal e previne doenças perigosas. Já é o suficiente para notar diferença no corpo,  evitar os carboidratos refinados (pães brancos, massas, etc), especialmente se você manter o nível de proteína alta. No entanto, se você precisa perder peso rapidamente, considere o nível de carboidrato na casa de 50 gramas por dia. Isto irá colocar seu corpo em cetose, matando o seu apetite e fazendo seu corpo a começar a queimar as como combustível. Claro, as dietas de baixo carboidrato tem muitos outros benefícios para a saúde, além da apenas da perda de peso, como por exemplo, o salvamento de pacientes diabéticos tipo 2.

Resumo: Estudos mostram que as dietas de baixo carboidrato são particularmente eficazes para secar a gordura na região da barriga, ao redor dos órgãos abdominais e do fígado.

4. Coma Alimentos Ricos em Fibra … Especialmente a Fibra Viscosa

A fibra dietética é a matéria vegetal indigesta. Afirma-se, que comer muita fibra pode ajudar na perda de peso. Isso é verdade … mas é importante ter em mente que nem todas as fibras são  iguais. As fibras viscosas podem ter um efeito mais contundente sobre o peso. Estas fibras que se conectam à água e formam um gel espesso que “fica” no intestino. Este gel pode diminuir drasticamente a circulação de alimentos através do estômago e do intestino delgado, retardando a digestão e absorção de nutrientes. O resultado final é uma sensação prolongada de saciedade e redução do apetite. Um estudo de revisão constatou que adicionar 14 gramas de fibra por dia, pode ter um resultado de diminuição de 10% na ingestão de calorias e perda de peso entorno de 2 kg em cerca de 4 meses.

Um estudo de 5 anos mostrou que 10 gramas de fibra solúvel por dia pode reduzir em 3,7% na quantidade de gordura no interior da cavidade abdominal, mas não teve nenhum efeito sobre a quantidade de gordura sob a pele. O quesignifica, que a fibra solúvel pode ser particularmente eficaz na redução da gordura prejudicial da barriga. A melhor maneira de obter mais fibra é optar por alimentos de origem vegetal, como legumes e frutas. Os legumes são uma boa fonte, bem como alguns cereais, particularmente a aveia. Logo, você também pode tentar tomar um suplemento de fibras, como glucomannan, uma das fibras dietéticas mais viscosas que existem, que provoca a perda de peso em muitos estudos.

Resumo: Algumas evidências consideram a fibra dietética solúvel capaz de levar à redução da gordura da barriga, o que deve causar grandes melhorias na saúde metabólica.

5. Exercício Físico é Muito Efetivo para a Redução da Gordura da Barriga

O exercício é importante por várias razões e está entre as melhores coisas que você pode fazer para ter uma vida longa, saudável e evitar doenças. Os benefícios do exercício para a saúde superam o escopo deste artigo, mas o exercício é uma opção eficaz na redução da gordura da barriga. No entanto … tenha em mente que o assunto  aqui não está focando nos exercícios abdominais. Num estudo, de 6 semanas de formação, apenas os músculos abdominais não tiveram nenhum efeito mensurável sobre a circunferência da cintura ou na quantidade de gordura no interior da cavidade abdominal. Dito isto, outros tipos de exercício podem ser mais eficazes do que o próprio exercício abdominal.

O exercício aeróbico (como caminhada, corrida, natação, etc) mostrou em vários estudos ter grandes impactos na redução da gordura da barriga. Outro estudo descobriu que o exercício impediu que as pessoas voltassem a ganhar gordura abdominal após a perda de peso, o que implica que o exercício é particularmente importante para a manutenção de resultados. Exercitar-se com pesos possuem benefícios contra a inflamação, redução dos níveis de açúcar no sangue e várias outras anormalidades metabólicas, associadas com a obesidade.

Resumo: O exercício pode ser muito eficaz para você que está tentando perder a gordura da barriga. O exercício também tem uma série de outros benefícios para a saúde.

6. Acompanhe a sua Alimentação e Esteja Ciente de quanto E como Você Come

O que você come é importante. Quase todo mundo sabe disso. No entanto … surpreendentemente, a maioria das pessoas realmente não têm idéia do que realmente estão comendo. As pessoas pensam que comer uma dieta de “alto teor de proteína”, “low-carb (baixo carboidrato)” ou o que seja, tendem a superestimar ou subestimar os valores nutricionais. Para otimizar sua dieta, acompanhe de perto a alimentação, é essencial.

Isso não significa que você precise subir na baçança todo dia para se pesar, ou medir todo o corpo para o resto da vida, mas faça de vez em quando por alguns dias, isso vai ajudar a perceber o que você precisa alterar. Perceba-se, acompanhe a sua evolução e encontre as suas falhas.

9 Mitos Ridículos sobre a Dieta de Baixo Carboidrato

Há muita desinformação sobre a dieta com baixo teor de carboidrato por aí. Alguns afirmam que a dieta de baixa carboidrato (Low Carb), seja a dieta ideal para o humano. Outras pessoas acreditam que é uma dieta da “moda” que é insustentável e potencialmente prejudicial. Este artigo lista 9 mitos comuns sobre as dietas de baixo carboidrato.

dieta-de-baixo-carboidrato2

1. Baixo Carboidrato é uma Dieta da Moda

O termo “dieta da moda” tem perdido o seu significado. Antes, o termo era usado para as perdas de peso acidentais, num curto prazo de popularidade. No entanto, hoje esse termo tem, basicamente, se tornado um abuso para as pessoas que não acreditam na Low Carb. Ainda hoje, muitas pessoas ainda chamam de dieta baixo carboidrato uma “moda” dieta e isso não faz absolutamente nenhum sentido, porque a o baixo teor de carboidrato demonstra-se ser eficaz em mais de 20 estudos científicos. O primeiro livro de Atkins foi publicado em 1972, cinco anos antes do primeiro conjunto de orientações dietéticas com baixo teor de gordura na América. Se olharmos ainda mais para trás, o primeiro livro low-carb foi publicado mesmo, em 1863 e era muito popular na época. A “moda” é apenas uma tentativa desonesta de argumento.

Resumo: A dieta de baixo carboidrato tem sido apoiado por décadas com mais de 20 estudos de alta qualidade em seres humanos. Chamá-la de “dieta da moda” é um mito ridículo.

2. É Difícil de se Manter numa Dieta de Baixo Carboidrato

Alega-se frequentemente que as dietas de baixo carboidrato são insustentáveis ​​porque restringem os grupos alimentares comuns e que estas reivindicações acabam levando à sentimentos de privação, induzindo as pessoas que estão fazendo a dieta, a desistirem e voltarem a ganhar o peso de volta. Isso faz sentido, mas a verdade é que todas as dietas restringem alguma coisa. Alguns restringem grupos alimentares ou macronutrientes, outros restringem calorias. A grande coisa sobre a low-carb é que esta dieta de baixo carboidrato leva a uma redução do apetite, de modo que as pessoas podem comer até a plenitude e ainda perder peso. Compare isso com uma dieta de restrição calórica, onde você não é autorizado a comer tranquilamente  e acabam por passar fome a maior parte do tempo. Tudo o que está sendo dito, não é argumentado com dados científicos, especialmente que a dieta de baixo teor de carboidrato é mais difícil de ser mantida do que as outras. Sob a análise de 19 estudos, que analisaram quantas pessoas chegaram ao fim das dietas, comparando a low-carb e as dietas de baixa gordura, chegou a um resultado misto, onde o maior número de pessoas do grupo de baixo teor de carboidratos chegou até o fim de compromissos que validam a dieta com eficácia. A média para as dietas de baixo carboidrato foi 79,51%, contra 77,72% do grupo de baixo teor de gordura. Não é uma diferença enorme, mas mostra claramente que as dietas baixas em carboidratos são mais bem toleradas do que a de baixa gordura.

Resumo: Os dados não suportam a idéia de que as dietas de baixo carboidrato são difíceis de serem cumpridas. Em comparação com a dieta de baixa gordura, a dieta de baixo carboidrato foi mais bem tolerada.

3. Maioria da Perda de Peso Vem da Perda da Água do Corpo

O corpo armazena quantidades significativas de carboidratos nos músculos e no fígado. Esta é uma forma de armazenamento de glicose, conhecido como glicogênio, utilizado para suprir o corpo com glicose entre as refeições. O glicogênio armazenado no fígado e músculos tende a se ligar à água. Quando cortam-se os carboidratos, as reservas de glicogênio diminuem e nós perdemos uma quantidade significativa de peso da água. Além disso, as dietas de baixo carboidrato levam a uma redução drástica nos níveis de insulina. Quando a insulina cai, os rins colocam o excesso de sódio e de água para fora do corpo. Por estas razões, as dietas de baixo carboidrato levam a uma redução substancial e quase imediata na perda de água. Isto é frequentemente usado como argumento contra dietas de baixo carboidrato, pois alega-se que a única razão para a vantagem da perda de peso é a redução do peso da água. No entanto, isso é falso. As dietas de baixo carboidrato reduzem o peso da água, mas os estudos mostram que também causam redução da gordura corporal – especialmente, a partir do fígado e da área abdominal onde a gordura da barriga prejudicial está localizada. Um estudo de 6 semana, sobre as dietas baixas em carboidrato, mostrou que os participantes perderam 3,4 kg de gordura e ganharam 1,1 kg de músculo. Além disso, a redução do peso da água é uma coisa boa. Não faz sentido usar um argumento desse contra as dietas de baixo carboidrato. Quem gostaria de carregar 4kg de excesso de água?

Resumo: As pessoas que admitem a low-carb perdem o excesso de água do corpo. No entanto, elas também perdem muita gordura corporal, especialmente na região do fígado e abdômen.

4. Dietas “Low Carb” são Ruins para o Coração

As dietas Low Carb tendem a serem ricas em colesterol e gordura, incluindo gorduras saturadas. Por esta razão, muitas pessoas questionam, que se aumenta o colesterol no sangue o risco de doença cardíaca também aumenta. No entanto, os novos estudos mostram que nem o colesterol da dieta de gorduras saturadas tem qualquer efeito significativo no risco de doença cardíaca. Ao contrário do que se costuma afirmar, as dietas Low Carb melhoram muitos fatores de risco importantes para doenças cardíacas:

  • Triglicerídeos diminuem.
  • HDL o colesterol ‘bom’ aumenta .
  • Pressão sanguínea tende a diminuir.
  • Resistência à insulina diminui, indicando reduções de açúcar no sangue e de níveis de insulina.
  • Inflamação pode ser reduzida na dieta de baixo carboidrato.

Os níveis de colesterol LDL não aumentam. As partículas também tendem a mudar de pequena, densa (mau) à grande, um padrão que está ligado a um risco reduzido de doença do coração. Dito isto, os estudos principalmente observam as médias. Há alguns indivíduos, que despertam grandes aumentos nos níveis de LDL, em uma dieta Low Carb. Estes indivíduos devem tomar algumas medidas para controlar esse níveis..

Resumo: Não há evidências de que o colesterol da dieta de baixo carboidrato e gordura saturada causam danos, além de estudos sobre as dietas de baixo carboidrato mostrarem, que os vários fatores de risco para doença cardíaca diminuem enquanto aplicado a Low Carb.

5. Dieta com Baixo Teor de Carboidrato Somente Funciona Porque as Pessoas Comem Menos Calorias  

Muitas pessoas afirmam que a única razão para as pessoas perderem peso com baixo carboidrato é por causa da redução do número de calorias. Isso é verdade, mas, a história toda não é só isso. A vantagem principal da perda de peso da dietas de baixo carboidrato é que a perda de peso ocorre automaticamente. As pessoas se sentem tão saciadas, que acabam comendo menos alimentos, sem precisarem contar calorias ou terem controle por meio de porções. Este efeito de redução do apetite é tão poderoso, que estudos comparando a low-carb e a dieta de baixa gordura, os grupos de baixo teor de gordura precisam restringir as calorias ativamente, a fim de tornar os resultados comparáveis. Mesmo quando os grupos de baixa gordura são de restrição calórica, os grupos de baixo carboidrato ainda acabam perdendo mais peso … às vezes 2-3 vezes mais! Além disso, as pessoas às vezes não percebem que as dietas de baixo carboidrato não são apenas sobre a perda de peso, elas também são muito eficazes contra certas condições de saúde, como a síndrome metabólica, diabetes tipo 2 e epilepsia. Nestes casos, os benefícios para a saúde vão muito além de apenas uma redução na ingestão de calorias. Dito isto, as dietas de baixo carboidrato podem ter uma pequena vantagem metabólica, pois tendem a ser ricas em proteínas, o que estimula o metabolismo.

Resumo: É verdade que as dietas de baixo carboidrato levam a uma redução na ingestão de calorias. No entanto, o fato de isso acontecer inconscientemente é um benefício enorme. As dietas de baixo carboidrato também têm benefícios para a saúde metabólica e vão muito além das calorias.

6. Baixo Carboidrato diminui a Ingestão de Vegetais Saudáveis

Uma dieta baixa em carboidratos não é significa ingerir ‘‘zero” carboidrato. É um mito que a dieta de baixo carboidrato seja cortar carboidratos que você precisa comer, muito menos os alimentos de origem vegetal. Você pode realmente comer uma quantidade muito grande de vegetais, frutas, nozes e sementes, sem exceder 50 gramas de carboidrato por dia. Além disso, comer 100-150 gramas de carboidratos por dia ainda é considerado um consumo baixo de carboidratos. Isso é o suficiente espaço para várias peças de fruta por dia e talvez até mesmo pequenas quantidades de amidos saudáveis, como a batata e a aveia. É capaz que o consumo de vegetais aumente, ao contrário do que se especula como um mito ridículo. Ao consumir adequadamente os carboidratos vegetais, a satisfação e a necessidade do corpo de vitamina C, potássio, fibras e outros nutrientes essenciais. Praticamente todos os livros sobre Low Carb recomendam que as pessoas comam grandes quantidades de alimentos vegetais saudáveis.
Resumo: É possível encaixar grandes quantidades de alimentos de origem vegetal na dieta Low Carb, mesmo com o consumo baixo de carboidratos. Produtos hortícolas, frutas, nozes e sementes são exemplos de alimentos vegetais saudáveis, baixos em carboidratos.

7. “Cetose” é um Estado Metabólico Perigoso

Há uma grande confusão sobre a cetose. Quando comemos muito pouco carboidratos (menos de 50 gramas por dia), os níveis de insulina caem e uma grande quantidade de gordura é liberada a partir das células de gordura. Quando o fígado fica alagado com ácidos gordos, ele começa a transformá-los em substâncias chamadas corpos cetônicos, ou cetonas. Estas moléculas são capazes de atravessar a barreira do sangue, fornecendo energia para o cérebro durante a inanição ou quando não comem carboidratos. No entanto, muitas pessoas parecem confundir “cetose” e “cetoacidose.” Este último é um estado metabólico perigos,  acontece principalmente na diabetes tipo 1. Ela envolve a corrente sanguínea e inunda com grandes quantidades de cetonas, o suficiente para fazer o sangue ácido. Cetoacidose é um negócio sério e pode ser fatal. No entanto, isso não tem absolutamente nenhuma relevância para a cetose causada por uma dieta baixa em carboidratos, que é um estado metabólico saudável. Como exemplo, os efeitos terapêuticos da epilepsia a ser estudados para o tratamento do câncer e contra as doenças do cérebro, como a doença de Alzheimer. A cetoacidose é terrível, mas a cetose é uma coisa boa. Os dois não são a mesma coisa.

Resumo: Uma dieta baixa em carboidrato leva a um estado chamado cetose metabólica, este estado não é a mesma que a cetoacidose,  que é perigoso, mas que só acontece em diabetes não controlada.

8. O Cérebro Precisa de  Glicose (Carboidratos) para Funcionar

Muitas pessoas acreditam erroneamente que o cérebro não pode funcionar sem carboidratos na dieta. Afirma-se ainda, que os carboidratos são o combustível preferido para o cérebro e que a necessidade gira entorno de 130 gramas por dia. Isso é parcialmente verdadeiro. Algumas células do cérebro não podem usar qualquer combustível, exceto a glicose (carboidratos). Contudo, outras partes do cérebro são, na verdade, perfeitamente capazes de utilizar a cetona como combustível. Se os carboidratos forem reduzidos o suficiente para induzir a cetose, logo, uma grande parte do cérebro pára de usar a glicose e começa a usar a cetona em seu lugar. Dito isto, mesmo com muita cetona no sangue, algumas partes do cérebro ainda precisam da glicose. Este é o lugar onde uma via metabólica, chamada gliconeogênese se torna importante. Quando não comemos carboidratos, o corpo (principalmente fígado), pode produzir a glicose a partir da proteína e subprodutos do metabolismo da gordura. Por causa da cetose e gliconeogênese, nós realmente não precisamos comer um único grama de carboidrato – não, pelo menos, com a finalidade de abastecer o cérebro. Após a longa fase inicial de adaptação, muitas pessoas relatam a melhora do funcionamento do cérebro com uma dieta Low Carb.

Resumo: Em uma dieta Low Carb, uma parte do cérebro pode usar as cetonas como combustível. O corpo pode então produzir uma pequena quantidade glicose para atender as outras partes do cérebro.

9.Dietas de Baixo Carboidrato Destroi o Desempenho Físico

A maioria dos atletas fazem uma dieta rica em carboidratos e muitas outras pessoas acreditam que os carboidratos são essenciais para o desempenho físico. É verdade que a redução dos carboidratos leva a um desempenho reduzido no início. No entanto, isso é normal e temporário. Pode levar algum tempo para que o corpo se adapte a queima de gordura no lugar dos carboidratos. Muitos estudos mostram que as dietas de baixo carboidrato são realmente boas para o desempenho físico, especialmente nos exercícios de resistência, até que as pessoas se adaptem à dieta. Outros estudos mostram que as dietas de baixo carboidrato tem efeitos benéficos para a massa muscular e força.

Resumo: Low-carb dietas não são prejudiciais para o desempenho físico para a maioria das pessoas. No entanto, pode demorar algumas semanas para que o corpo se adaptar.

Conclusão

Por fim, as dietas de baixo carboidrato têm benefícios poderosos para a saúde. as Low Carbs são muito eficazes para as pessoas com obesidade, síndrome metabólica e diabetes tipo 2. Dito isto, mesmo que dietas de baixo carboidrato sejam benéficas, elas não são a resposta para todos. Cursos diferentes para diferentes pessoas.

12 Alimentos com Alto teor de Carboidrato e Super Saudáveis

Os carboidratos são acusados por causar a epidemia de obesidade. No entanto, a verdade é que nem todos os carboidratos são produzidos iguais. As chamadas “junk food”, alimentos processados ricos em açúcar e grãos refinados são, definitivamente, insalúbres e engordam. Mas isso, não tem nenhuma relevância para os alimentos integrais, ricos em fibras, também incluídos no macronutriente carboidrato. Embora as dietas de baixo carboidrato possam ser benéficas para algumas pessoas, isso não significa que todos os alimentos ricos em carboidratos sejam “ruins.” Abaixo segue uma lista de 12 alimentos ricos em carboidratos que acontecem também ser incrivelmente saudável. A menos que você estiver em uma dieta low-carb (baixo carboidrato) por razões de saúde, então não há absolutamente nenhuma razão para evitar esses alimentos deliciosos.

alto-teor-de-carboidrato

1. Quinoa

A quinoa é uma semente nutritiva, que se tornou popular na comunidade de saúde natural. É classificada como um pseudocereal, uma semente que é preparada e comida como um grão. A quinoa cozida é 21,3% de carboidratos, tornando-se um alimento com alto teor em carboidrato. No entanto, também é uma boa fonte de proteína e fibra. A quinoa é rica em muitos minerais e compostos vegetais e vem sendo associada à benefícios saudáveis, como a melhoria do controle de açúcar no sangue. A quinoa não contém glúten, tornando-se uma alternativa popular para o trigo numa dieta livre de glúten, além também de satisfazer, uma vez que a quinoa seja relativamente rica em fibra e proteína. Por esta razão, pode ser um excelente alimento numa dieta eficaz na perda de peso.

Resumo: Quinoa é altamente nutritiva e pode ter inúmeros benefícios à saúde, incluindo o melhor controle de açúcar no sangue. Quinoa também é rica em proteína e fibra, por isso pode ser útil com a perda de peso.

2. Aveia

A aveia pode ser o mais saudável dos alimentos em grãos integrais do planeta. A aveia é uma fonte de muitas vitaminas, minerais e antioxidantes. A aveia crua contêm 66% de carboidratos e quase 11% de fibra e é particularmente rica em fibra solúvel, uma poderosa substância chamada beta-glucano. A aveia também é relativamente uma boa fonte de proteína, contendo mais do que a maioria dos outros grãos. Muitos estudos mostram que a aveia pode reduzir o risco da doença cardíaca, diminuindo os níveis de colesterol. Comer aveia também pode reduzir os níveis de açúcar no sangue, especialmente em diabéticos. Além disso, a aveia é nutritiva e pode ajudar com a perder peso.

Resumo: A aveia contém muitos nutrientes benéficos, incluindo fibras e proteínas. Aveia foram mostrados para reduzir o açúcar no sangue e os níveis de colesterol.

3. Trigo Mourisco

O trigo mourisco (buckwheat em inglês) também é um pseudocereal. Apesar do nome, o trigo mourisco não está caracterizado como trigo e não contém glúten. O trigo mourisco cru contém 71,5% de carboidratos e os grumos do trigo mourisco cozidos (também chamado de trigo sarraceno) contêm cerca de 20% de carboidratos. O trigo mourisco é altamente nutritivo, contendo proteínas e fibras. Esse tipo de trigo também tem mais minerais e antioxidantes do que a maioria dos grãos. A ingestão do trigo mourisco pode ser particularmente benéfico para a saúde do coração e controle de açúcar no sangue, especialmente em pessoas com diabetes.

Resumo: o trigo mourisco é altamente nutritivo e contém mais antioxidantes e minerais do que a maioria dos grãos. A ingestão do trigo mourisco pode ter benefícios para a saúde cardíaca e controle do açúcar no sangue.

4. Banana

As bananas estão entre as frutas mais populares do mundo e são constituídos por cerca de 23% de carboidratos, sob a forma de amidos e açúcares. A bananas verdes são mais ricas em amidos e transformam-se em açúcares naturais conforme as bananas amadurecem (tornando-se amarelas). As banas contêm um elevado teor de potássio, vitamina B6 e vitamina C. E também contêm vários compostos vegetais benéficos. Devido ao seu teor de potássio, a banana pode ajudar a baixar a pressão arterial e melhorar a saúde do coração. As bananas verdes também contêm quantidades decentes de amido resistente e pectina. Ambos suportam a saúde digestiva e alimentam as bactérias amigáveis do intestino.

Resumo: Bananas são ricas em potássio, que pode ajudar a regular a pressão arterial. Bananas verdes também contêm amido resistente e pectina, que pode melhorar a saúde digestiva.

5. Batata doce

As batatas doces são um delicioso e nutritivo tubérculo. As batatas doces cozidas contêm cerca de 18-21% de carboidratos. Este conteúdo de carboidrato consiste em amido, açúcar e fibras. As batatas doces são uma rica fonte de vitamina A (a partir do beta-caroteno), a vitamina C e potássio. As batatas doces são muito ricas em antioxidantes, podem ajudar a reduzir o dano oxidativo e o risco de várias doenças.

Resumo: as batatas doces são uma excelente fonte de vitamina A (a partir de beta-caroteno), bem como de várias outras vitaminas e antioxidantes.

6. Beterraba

As beterrabas são um vegetal de raiz e cor roxa. As beterraba cruas e cozidas contém cerca de 8-10% de carboidratos, basicamente açúcar e fibra. As beterrabas são carregadas com vitaminas, minerais, antioxidantes potentes e compostos vegetais. As beterrabas também são ricas em nitratos inorgânicos, que transformam-se em óxido nítrico no corpo. O óxido nítrico ajuda a baixar a pressão sanguínea e pode diminuir o risco de várias doenças. O suco de beterraba também é muito rico em nitratos inorgânicos e é freqüentemente usado para melhorar o desempenho físico durante os exercícios de longa duração.

Resumo: As beterrabas são carregadas com vitaminas, minerais e compostos vegetais. As beterrabas possuem grandes quantidades de nitratos inorgânicos, que podem melhorar a saúde e aumentar o desempenho físico.

7. Laranja

As laranjas estão entre as frutas mais populares do mundo. As laranjas são compostas principalmente de água e contêm 11,8% de carboidratos, além de serem também, uma boa fonte de fibra. As laranjas são especialmente ricas em vitamina C, potássio e algumas vitaminas B. As laranjas contêm o ácido cítrico, bem como vários compostos vegetais potentes e antioxidantes. As laranjas podem melhorar a saúde do coração e ajudar na prevenção das pedras nos rins e ainda aumentar a absorção de ferro a partir de alimentos, reduzindo o risco de anemia.

Resumo: As laranjas são uma boa fonte de fibra, contêm quantidades muito elevadas de vitamina C e compostos vegetais. As laranjas podem ter benefícios para a saúde do coração e ajudam a prevenir a anemia.

8. Mirtilos (Blueberries)

Os mirtilos são incrivelmente deliciosos, embora na língua portuguesa os ‘berries’ já tenham ganhado espaço e mirtilo ainda parece algo estranho. No entanto, os mirtilos são referências de um “super alimento”, devido aos seus poderosos compostos vegetais e antioxidantes. Os mirtilos consistem principalmente de água e cerca de 14,5% de carboidratos. Além disso, os mirtilos também contêm grandes quantidades de vitaminas e minerais, incluindo a vitamina C, vitamina K e manganês. Os estudos mostram que os mirtilos ajudam a proteger o corpo contra o dano oxidativo e podem melhorar a memória das pessoas idosas.

Resumo: O mirtilo é incrivelmente saudável e contém muitas vitaminas, minerais e antioxidantes, que protegem o corpo contra o dano oxidativo.

9. Toranja ou Pomelo (Grapefruit)

A toranja ou pomelo (no inglês grapefruit) é uma fruta cítrica com sabor doce, amargo e azedo. Esta fruta contém cerca de 9% de carboidratos e grandes quantidades de vitaminas, minerais e compostos vegetais. A ingestão da grapefruit pode ajudar na perda de peso e reduzir a resistência à insulina. Além disso, comer grapefruit pode ajudar na prevenção das pedras nos rins, níveis de colesterol e proteger contra o câncer de cólon.

Resumo: Grapefruit contém várias vitaminas, minerais e compostos vegetais, pode ajudar na perda de peso e fornecer inúmeros benefícios à saúde.

10. Maçã

As maçãs são uma fruta popular com sabor doce e trituração distintiva. As estão disponíveis em várias cores, tamanhos e sabores, mas geralmente contêm cerca de 13-15% de carboidratos. As maçãs contêm muitas vitaminas e minerais, mas em pequenas quantidades. No entanto, as maçãs são uma fonte decente de vitamina C, antioxidantes e compostos vegetais saudáveis. As maçãs podem beneficiar a saúde de várias maneiras, tais como melhorar o controle de açúcar no sangue e reduzir o risco da doença cardíaca, além de também, de poder diminuir o risco de alguns tipos de câncer.

Resumo: As maçãs contêm uma boa quantidade de vitamina C, antioxidantes e compostos vegetais. As maçãs podem melhorar o controle de açúcar no sangue, bem como reduzir o risco de doenças cardíacas e alguns tipos de câncer.

11. Feijão Roxo

Os feijões roxos são uma variedade do feijão comum e fazem parte da família das leguminosas. O feijão cozido contém cerca de 22,8% de carboidratos, sob a forma de amidos e fibra, mas também são ricos em proteínas. Os feijões roxos são ricos em vitaminas, minerais e compostos vegetais, além também, da grande quantidade de antioxidantes, como as antocianinas e isoflavonas. Os feijões roxos podem ter inúmeros benefícios à saúde, tais como a melhoria do controle de açúcar no sangue e a redução do risco do câncer de cólon. Apenas certifique-se de nunca comê-los crus, porque feijão cru ou mal cozido é tóxico.

Resumo: Feijão contêm muitas vitaminas, minerais e antioxidantes.O feijão também é uma boa fonte de proteínas e está associado à vários benefícios para a saúde.

12. Grão de Bico

O grão de bico  também faz parte da família das leguminosas e cozido contém 27,4% de carboidratos, dos quais 8% são de fibra. O grão de bico também é uma boa fonte de proteína vegetal, contêm muitas vitaminas e minerais, que inclui o ferro, fósforo e vitaminas do complexo B. A ingestão do grão de bico tem sido associada com uma melhor digestão e saúde do coração, podendo ajudar também na prevenção de câncer.

Resumo: Grão de bico é uma excelente fonte de proteína vegetal, contêm muitas vitaminas e minerais. O grão de bico possui benefícios para a saúde do coração e digestiva, bem como para a prevenção do câncer.

Conclusão Alto Teor de Carboidrato

Os “carboidratos” não são todos insalúbres. Isso é um mito. A verdade é que alguns dos alimentos mais saudáveis do mundo são ricos em carboidratos. Embora os carboidratos não devam ser consumidos em grandes quantidades, se você estiver em uma dieta baixa em carboidratos, se entende, mas fora isso, os carboidratos podem ser boas fontes de nutrientes. Os carboidratos refinados são ruins, mas as fontes de integrais de carboidratos são extremamente saudáveis para a maioria das pessoas.